A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Condenação de assassinos de Dorothy Stang confirma crime de encomenda

Assassinos da freira Dorothy Stang, morta em fevereiro, em Anapu (PA), foram condenados sábado. Para acusação, a aceitação da tese de que o crime foi encomendado é um fator importante para condenar também os fazendeiros acusados como mandantes. Mas ameaças de morte e problemas fundiários no Pará seguem preocupando

Rayfran das Neves Sales, o Fogoió, e Clodoaldo Batista, o Eduardo, pistoleiros acusados de executar a freira americana Dorothy Stang em fevereiro deste ano em Anapu, no Pará, foram condenados sábado (10) a 27 e 17 anos de prisão em regime fechado, respectivamente. A tese defendida pela defesa de que a morte de Dorothy, que há mais de 30 anos trabalhava na região com pequenos agricultores e trabalhadores rurais sem-terra, foi fruto de uma desavença pessoal entre a religiosa e o assassino, foi derrubada pelas contradições nos depoimentos dos réus.

Para a acusação, no entanto, a principal vitória no processo foi o reconhecimento, por parte do tribunal do júri, de que os pistoleiros agiram sob promessa de pagamento. Este fator, acredita o advogado e coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Marabá, José Batista Afonso, é fundamental para reforçar a acusação de mandantes do crime contra os fazendeiros Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, e Regivaldo Galvão, o Taradão, e também contra Amair Feijoli da Cunha, o Tato, que teria intermediado o crime.

Os três estão presos e devem ser julgados até março do ano que vem. No início do julgamento de Rayfran e Clodoaldo, tanto a defesa quanto os réus procuraram inocentar os fazendeiros Bida e Taradão, negando a encomenda da morte e a promessa de R$ 50 mil pelo assassinato da religiosa.

Alívio, mas não solução
A condenação de Rayfran e Clodoaldo foi recebida com alívio pelos movimentos sociais e ONGs que acompanharam o processo e que trabalham no Pará com questões fundiárias, ambientais e de direitos humanos. Não há dúvidas de que a presença dos irmãos de Dorothy e de Hina Jilani, representante especial do Secretário-Geral da ONU para a Situação dos Defensores dos Direitos Humanos, além do secretário Especial interino dos Direitos Humanos, Mario Mamede, do presidente do Incra, Rolf Hackbart, e de centenas de trabalhadores rurais em Anapu durante o julgamento fortaleceram a cobrança por justiça; bem como não há dúvidas de que a pressão nacional e internacional, num estagio anterior, fizeram com que o assassinato de Dorothy fosse julgado em tempo recorde, em se tratando da justiça do Pará.

Por outro lado, a situação dos trabalhadores rurais sem terra, dos conflitos agrários, das ameaças de morte contra lideranças sociais e o próprio desordenamento fundiário no estado continuam sem solução, se não mais graves desde a morte de Dorothy, denunciam as organizações sociais.

Sobre os casos envolvendo pessoas, 25 organizações, como o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos Humanos (CMDDH) de Belém, o Fórum da Amazônia Oriental, o Greenpeace, o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), a Justiça Global, a Terra de Direitos e a OAB do Pará, entre outros, entregaram à relatora da ONU um documento listando seis dos 18 casos de assassinatos ocorridos no Pará em 2005. Os crimes destacados, cometidos todos após o assassinato da religiosa, vitimaram lideranças importantes de movimentos sociais, sindicais e de comunidades de assentados e sem-terra.

O documento também fala das ameaças que vêm sofrendo as lideranças sociais, sem que o estado tenha tomado providências concretas contra os intimidadores. “Mais de 50 pessoas estão hoje sob ameaça de morte no Estado do Pará. Dentre elas, destacam-se algumas das lideranças ligadas a irmã Dorothy, no município de Anapu, onde os conflitos pela posse de terras voltaram a se intensificar após a retirada das tropas do Exército, em setembro. Também nos causa indignação o fato de que líderes de trabalhadores rurais de Anapu e inclusive testemunhas do Caso Dorothy estejam sendo acusadas pela polícia de crimes que não cometeram”, afirma o documento.

Segundo o advogado José Batista, o andamento do caso Dorothy pode ser considerado uma vitória para as organizações sociais, mas o tratamento diferenciado que recebeu da Justiça do Pará em relação aos outros casos cria também um mal-estar.

“A agilidade com que se encaminhou o processo de Dorothy, por conta das pressões políticas e pela tentativa de federalizar o caso, não se vê em relação aos outros casos de assassinato. Apenas de casos que a CPT acompanha e que ainda têm possibilidade de punição dos culpados, sabemos de 38, com ‘idade’ entre seis meses e 28 anos, que tramitam sem solução na justiça do Pará. Por outro lado, os ameaçados de morte, em casos extremos, até recebe proteção policial, mas a maioria das denuncias não é considerada, muito menos a justiça busca investigar as origens das ameaças para coibi-las”, explica Batista.

Desordem fundiária
A morte de 18 pessoas no Pará este ano também é reflexo, segundo a CPT, da falta de ações concretas do governo em termos de regulamentação da posse da terra no estado; inclusive em Anapu; inclusive na área do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança, onde a religiosa foi morta.

Ainda em fevereiro, logo após a morte de Dorothy, o Governo Federal anunciou uma série de medidas de ordenamento fundiário, entre criação de unidades de conservação, regularização de lotes e georreferenciamento das terras, promovidas em parceria pelo Incra, Exercito e Ministério Público, mas até o momento apenas quatro áreas em Anapu foram regularizadas, segundo Pedro Aquino, superintendente do Incra em Santarém.

Por outro lado, garante Aquino, até o próximo dia 20, o Exército deve entregar ao Incra os últimos dados do georreferenciamento de 800 hectares na região de Anapu, incluindo a demarcação das parcelas nos PDSs Esperança e Virola Jatobá.

“Devemos regulamentar todas as glebas dos PDS até no máximo fim do primeiro semestre do ano que vem. Até dia 20 de dezembro, receberemos os levantamentos do Exército. A partir daí, teremos apenas que lidar com alguns resquícios, como a retirada de pessoas que não são clientes da reforma agrária das ares de assentamentos e PDS”, diz Aquino.

Da Agência Carta Maior


Apoie a Repórter Brasil

saiba como