A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Chacina de Unaí completa três anos sem julgamento dos acusados

Dos nove envolvidos, nenhum foi julgado – entre eles, Antério e Norberto Mânica, expoentes do agronegócio brasileiro. Enquanto isso, a sombra das mortes ainda afeta o dia-a-dia dos fiscais do trabalho, que atuam em uma das frentes de expansão da fronteira agrícola no país

Nelson José da Silva, João Batista Soares Lages, Erastótenes de Almeida Gonçalves e Aílton Pereira de Oliveira foram mortos enquanto realizavam fiscalização em Unaí (MG) (Fotos: Sinait)

O motorista Aílton Pereira de Oliveira, mesmo baleado, conseguiu fugir do local com o carro e chegar à estrada principal, onde foi socorrido. Levado até o Hospital de Base de Brasília, Oliveira não resistiu e faleceu no início da tarde. Antes de morrer, descreveu uma emboscada: um automóvel teria parado o carro da equipe e homens fortemente armados teriam descido e fuzilado os fiscais. Erastótenes de Almeida Gonçalves, Nelson José da Silva e João Batista Soares Lages morreram na hora.

Em 28 de janeiro de 2004, os quatro, funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego, foram assassinados enquanto realizavam uma fiscalização rural de rotina na região de Unaí, Noroeste de Minas Gerais. O caso ganhou repercussão na mídia nacional e internacional, o que levou o governo federal a uma verdadeira caçada aos executores e mandantes do crime.

As investigações da Polícia Federal, encerradas seis meses depois, no segundo semestre de 2004, apontaram como mandantes dos assassinatos os fazendeiros Norberto e Antério Mânica, que figuram entre os maiores produtores de feijão do mundo. Ambos chegaram a ser presos, mas hoje respondem ao processo em liberdade. Após isso, Antério foi eleito prefeito de Unaí pelo PSDB, com 72,37% dos votos válidos, ganhando fórum privilegiado.

Norberto foi solto em agosto de 2005, depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) lhe conceder habeas corpus. Foi preso novamente no dia 17 de julho de 2006, sob acusação de que estaria atrapalhando as investigações sobre a chacina. Por fim, uma nova liminar concedida em novembro passado pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) garantiu a Norberto o direito de responder ao processo em liberdade.

O inquérito entregue à Justiça afirmou que a motivação do crime foi o incômodo provocado pelas insistentes multas impostas pelos auditores. Nelson José da Silva seria o alvo principal. Ele já havia aplicado cerca de R$ 2 milhões em infrações à fazenda dos Mânica por descumprimento de leis trabalhistas.

Localização de Unaí (MG), distante 168 km de Brasília e 578 km de Belo Horizonte

Também estão envolvidos os pistoleiros Erinaldo de Vasconcelos Silva (o Júnior), Rogério Alan Rocha Rios e William Gomes de Miranda; o contratante dos matadores, Francisco Élder Pinheiro (conhecido como “Chico Pinheiro”) e os intermediários Humberto Ribeiro dos Santos, Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro. Esse último, ao lados dos irmãos Mânica, são os únicos a responderem ao processo em liberdade.

Hugo Alves Pimenta, comerciante de cereais e patrão de Castro, chegou a ficar solto, mas voltou para cadeia depois que a Polícia Federal descobriu depósitos de dinheiro em contas de namoradas dos pistoleiros feitos por ele. Além disso, a PF apurou que Pimenta havia prometido R$ 400 mil a cada matador que mantivesse no seu depoimento a versão de roubo seguido de morte – e não de homicídio planejado. Um dos motivos da prisão preventiva de Norberto Mânica, em julho de 2006, foi a denúncia de que ele teria ligações com os depósitos, e de que estaria ameaçando uma das viúvas das vítimas. Segundo o STJ, a falta de indícios para essas acusações justificava, entre outras razões, o habeas corpus de Norberto.

Pouco mais de um ano após Unaí, veio o caso de Anapu. Em 12 de fevereiro de 2005, a missionária norte-americana naturalizada brasileira Dorothy Stang foi assassinada por fazendeiros dessa região de fronteira agropecuária do Pará, descontentes com a atuação da irmã em prol dos projetos de desenvolvimento sustentável.

Unaí e Anapu são casos diferentes, mas exemplos da grave situação de violência no campo. Que torna-se mais intensa quando alguém se insurge contra a exploração da terra e do trabalhador. Seja ele funcionário público ou integrante de movimentos sociais.

No Pará, todos os cinco acusados pelo assassinato da missionária Dorothy Stang encontram-se atualmente presos. Três deles já foram condenados: os pistoleiros Raifran das Neves e Clodoaldo Batista, além do fazendeiro Amair Fejoli da Cunha, que os contratou. Vitalmiro Bastos de Moura e Regivaldo Pereira Galvão, suspeitos de serem os mandantes, aguardam julgamento na cadeia.

Enquanto isso, Unaí espera uma solução.

Leia também:
Paulo Vannuchi, ministro chefe da Secretaria Especial dos Direitos Humanos: “Poder Judiciário é hoje o ponto nevrálgico da efetivação dos Direitos Humanos no Brasil”

Especial Unaí – três anos
Para procuradora, julgamento do caso de Unaí ocorre em seis meses
Ameaças a fiscais do trabalho são comuns na região de Unaí
Chacina de Unaí segue o rastro do agronegócio
“A demora é injustificável”, diz ex-ministro
Auditores cobram justiça pela morte dos colegas em Unaí
Veja a cronologia do caso Unaí

Notícias relacionadas:
Família Mânica, de novo
Acusado de ser mandante da chacina de Unaí é preso pela PF
Auditores do Trabalho exigem julgamento da chacina de Unaí
Artigo – Quatro mortes, dois anos
Conatrae critica concessão de habeas corpus a Norberto Mânica
Justiça mantém condenação de ex-prefeito de Unaí (MG)
Artigo – Polícia destrincha o crime dos fiscais de Unaí, mas ainda falta o mandante
Artigo – 4 mortes, 6 meses
CPT e centrais sindicais divulgam nota sobre Unaí
Fiscais do trabalho morrem em emboscada em MG


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

14 Comentários

  1. Josias de Melo

    Parabéns! A impunidade tem que acabar nesse país!

  2. Marcia Elerate

    A sociedade é também vítima da impunidade, casos como esses demonstra que a Justiça não é tão séria quanto devería ser, ou melhor, não existe força ou não existe vontade. Porque será? Conivência? Exatamente, o que me faz pensar. A cadeia está lotada de prisioneiros que roubam para comer é justificável a prisão para esses, mas porque não é justificável para esses matadores, que está mais do que provado a participação deles nos homicídios? E ainda deixarem que um desses criminosos, seja eleito e adquirir foro privilegiado!!! Isso é uma verdadeira demostraçao de vergonha, e falta de credibilidade das leis. Isso é Brasil !!!

  3. Giane Soares da Silva

    Parabéns pela reportagem, precisamos mais que nunca da imprensa para fazer com que as autoridades se posicionem sobre esse caso, que não fizeram vítimas apenas nós, familiares, mas o estado brasileiro, e é preciso punição exemplar para que o Brasil não figure como o pais da eterna impunidade. Continuem a divulgar, e dia 28 estaremos no local, eu e minha irma viuva de Nelson, junto com seus colegas para exigirmos Justiça e Julgamento já!!!

  4. Kelly

    Dá-lhe tucanos! Olha o prefeito de vocês!

  5. Ursula Gomes

    A justiça tão rápida com os pobres demora três anos pra pegar um fazendeiro. Incrível!

  6. Marcelo June

    Espero que isso sirva de exemplo para o país fazer logo essa reforma agrária. Ou você distribui terra ou esses poderosos vão continuar fazendo o que quiserem.

  7. Jaqueline

    O pior de tudo é que o Antério Mânica é candidato à reeleição para a Prefeitura de Unaí. Depois de quatro anos sem mostrar nenhum trabalho significativo, ele ainda tem coragem de candidatar à reeleição. Força JOSÉ BRAZ, nº 15. Precisamos vê-lo na Prefeitura novamente, pelo bem da nossa querida Unaí.

  8. Fernanda Couto

    É muito triste saber que os culpados por este crime estão livres, piorainda é saber que um mandantes foi eleito prefeito de Unai.Eleitores vamos pensar um pouco mais antes de votar.
    Sou de uma cidade do interior de Goiás onde este ano dois irmãos famosos por pistolagem são candidatos a prefeito com chance de vencer. Basta !!!!!!!!!!!!!

  9. michele marques

    e uma falta de vergonha pra nos que moramos aqui em unai; ter a coragem de eleger este homem que numm fez nada pela cidade e alem de tudo acusado a um assasinato desses uma crueldade feita ….
    chega pra mim agora chega vamos lutar pra uma unai melhor vamos confiar em jose braz pois ele e um homem com capacidade respeito e onestidade pra nossa unai vote em jose braz agora e 15…..
    queremos renovação……….

  10. michele

    e uma falta de vergonha pra nos que moramos aqui em unai; ter a coragem de eleger este homem que numm fez nada pela cidade e alem de tudo acusado a um assasinato desses uma crueldade feita ….
    chega pra mim agora chega vamos lutar pra uma unai melhor vamos confiar em jose braz pois ele e um homem com capacidade respeito e onestidade pra nossa unai vote em jose braz agora e 15…..
    queremos renovação……….

  11. Ricardo

    Tribunal Regional do Trabalho da 8a Região (PA) confirmou sentença contra o ex-prefeito de Unaí (MG) José Braz da Silva, por utilização de mão-de-obra escrava em sua fazenda Boa Esperança, localizada em Parauapebas, no Pará. Com isso, Braz terá mesmo que desembolsar R$ 280 mil reais por danos morais

  12. marcos paulo

    isso é um caso relevante q ocore no b rasil e no mundo,e acho q já era pra ter feito justiça..

  13. paulethy

    isso é um caso q o governo já era pra ter declarado justiça pra quem matou esses humildes trabalhadores!

  14. dario

    No brasil se ve mais policia,juizes e esses coitados ai, agora vagabundos estao tudo solto, porque nao se ve falar que mata vagabundos, as cadeias estao cheias e esses vagabundos recebendo salarios quase igual a policia que quarda eles, nosso pais e uma vergonha.bagabundos tem e que ir para cadeira eletrica. sou a favor da pena de morte ja.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Juíza transfere processo da Chacina de Unaí para cidade onde crime ocorreu » Repórter Brasil - [...] também Especial – Chacina de Unaí (2007) TST condena família Mânica por trabalho degradante (2007) Artigo –…