27/02/2008 - 21:25

Acidente fatal expõe precariedade no frigorífico Quatro Marcos

O mecânico Cláudio Freitas Cruz trabalhava sem luvas na solda de um corrimão. Ele recebeu um choque e sofreu uma queda fatal. Procurador pede fechamento temporário da problemática unidade de Alta Floresta (MT)

Por Maurício Hashizume | Categoria(s): Notícias

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Email this to someone

O acordo firmado para melhorar as condições de trabalho no frigorífico Quatro Marcos, em Alta Floresta (MT), não foi suficiente para impedir um acidente fatal. Na última quinta-feira (21), o mecânico Cláudio Freitas Cruz, casado e pai de uma menina de dois anos de idade, trabalhava sem luvas de proteção na solda de um corrimão de uma das maiores exportadoras de carne bovina do país. Ele recebeu um choque elétrico enquanto manuseava o equipamento e sofreu uma queda fatal que fraturou a sua coluna cervical.

"Este foi apenas o último episódio de um contexto em que normas mais corriqueiras da saúde e da segurança do trabalhador não vêm sendo cumpridas", declara Rafael Gomes, procurador do Trabalho do Ofício de Alta Floresta (MT), que faz parte da 23ª Região. O acordo de 13 de dezembro de 2007 (em que a empresa foi multada em R$ 2 milhões), assegura o representante do MPT, "não está sendo cumprido". "Era para a situação estar melhorando e, na realidade, está piorando", relata.

Trabalhador do frigorífico com bota em apenas um dos pés; no outro, ele calça chinelo (Foto: MPT)

O procurador participou de uma inspeção, juntamente com auditores fiscais do Trabalho, que visitou, na esta terça-feira (26), o local do acidente. Quando a diligência chegou à fábrica, a linha de produção do abate não estava funcionando. Mesmo assim, flagraram várias irregularidades como a falta generalizada de equipamentos de proteção individual (EPIs) e infrações mais graves como a ausência de proteção para os níveis excessivos de ruído e mau cheiro no setor de graxaria – em que os resíduos de bovinos são convertidos em farinha. O controle da jornada de trabalho também apresentou problemas. Foram registrados casos em que trabalhadores cumpriram 10 horas extras num só dia, permanecendo 19 horas dentro do Frigorífico Quatro Marcos.

Segundo Márcia Maria Rufino, esposa da vítima, Cláudio cumpria em média uma jornada diária de 10 a 11 horas por dia "até o fim do abate", sem descansos nos sábados, domingos e nem em feriados. Ela conta que sempre ouvia reclamações do marido, que trabalhava na companhia há oito meses, sobre a segurança precária. "A máquina de soldar estava com os fios descascados e remendados. Não tinha nem luva e nem fita isolante", relata.

O procurador protocolou um mandado de segurança pedindo o fechamento temporário da unidade do Frigorífico Quatro Marcos em Alta Floresta (MT). Para ele, esta seria a única alternativa para impedir que os trabalhadores "continuem a correr diariamente risco de morte, até que a empresa comprove o cumprimento das normas mínimas de segurança". O alarmante, acrescenta no documento, "é que nada, aparentemente, se mostra suficiente para remover a empresa de seu comportamento ilícito, atentatório à vida de milhares de trabalhadores". "Autos de infração, multas administrativas, inspeções sanitárias, infindáveis reclamatórias trabalhistas, um sem-número de condenações judiciais, ações civis públicas, acordos judiciais homolgados, astreintes: nada faz a Quatro Marcos corrigir o seu comportamento", emenda.

No pedido oficial à Justiça, Rafael destaca também que o fato ocorrido mostra-se "infinitamente mais grave do que aquele que redundou na interdição do frigorífico em Vila Rica, em dezembro de 2007", motivada por um vazamento de gás. "Enquanto naquele caso vários trabalhadores foram internados, mas recuperaram depois sua saúde, aqui o trabalhador morreu, o pior resultado possível consumou-se, a família ficará desestruturada", descreve Rafael.

Funcionários do frigorífico se reuniram com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação, de Álcool e de Refinação de Açúcar nos Municípios de Tangará da Serra e Região (Mato Grosso), Nilda Leão, no último final de semana. "Testemunhas disseram que o local do acidente não foi devidamente isolado para que fosse feita a perícia", adiciona a sindicalista. Nesta quarta-feira (27), a sindicalista participaria de uma reunião com um representante da Quatro Marcos para ouvir a versão da empresa para o ocorrido. A partir dessa conversa, o sindicato, que instalou há 30 dias uma sub-sede no município de Alta Floresta justamente para facilitar a fiscalização e o atendimento dos trabalhadores da região, decidirá com a assessoria jurídica quais providências devem tomar com relação ao caso.

"O problema é que não existe fiscalização do cumprimento de acordos", diagnostica Siderlei de Oliveira, da Confederação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação, Agroindústrias, Cooperativas de Cereais e Assalariados Rurais (Contac). Na opinião dele, os empresários contam com a desorganização do sistema e assinam documentos sabendo que os compromissos serão burlados. "Quanto maior a distância dos centros urbanos, pior é o tratamento dispensado aos trabalhadores".

O crescimento das exportações, vincula Siderlei, tem aumentado a pressão sob a base do setor. Ele sugere mudanças na legislação, como a redução de jornada para trabalho penoso, que poderia garantir mais empregos e mais garantias, para seis horas diárias. Pede ainda mudanças no sistema produtivo, pois a velocidade imposta pelas máquinas tem causado tensões que acarretam em enfermidades nos homens e mulheres que as comandam.

A assessoria de imprensa do frigorífico Quatro Marcos informou à Repórter Brasil que está apurando os detalhes do caso e prefere não se pronunciar publicamente neste momento. Os dirigentes da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), por seu turno, se encontravam em compromissos no exterior. Assessores da associação, contudo, afirmaram que casos como esse competem exclusivamente à empresa envolvida e disseram não ter conhecimento de dados sobre o incremento de acidentes de trabalho no setor em função do aumento das exportações.

Nos próximos dias, os fiscais que estiveram no frigorífico Quatro Marcos devem lavrar autos de infração referentes às condições verificadas. O procurador Rafael, que organizara recentemente audiências públicas em Alta Floresta (MT) e em Colíder (MT) para esclarecer os termos dos 60 itens do acordo firmado com o Quatro Marcos em dezembro, também encaminhou mais uma petição com as fotos da inspeção para o desembargador-relator do caso. As multas por conta do acordo firmado no ano passado também devem alcançar soma significativa já que são cobrados R$ 50 mil por cada descumprimento de cláusula.

Uma semana antes do acidente, Cláudio Freitas Cruz havia sido eleito, ironicamente, representante da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). A esposa lamenta: "Ele morreu um dia antes de tomar posse".

Leia também:
Quatro Marcos pagará R$ 2 mi por descumprir legislação trabalhista
Justiça do MT interdita unidade do frigorífico Quatro Marcos
Ações do MPT apontam más condições de trabalho em frigoríficos



Se você se identifica com o trabalho que realizamos e quer contribuir com o combate à escravidão, ajude a fortalecer nossos projetos de educação, jornalismo e pesquisa com apenas R$ 9 por mês. Clique no botão para tornar-se um assinante ou veja outras formas de apoiar.


7 comentários

  1. marcos vinicio Marin disse:

    O descaso com a segurança no trabalho é flagrante em muitos locais de trabalho. Aqui no Mato Grosso do Sul no começo do mês um Autoclave explodiu e matou quatro trabalhadores do Curtume Induspan e feriu outros 15 trabalhadores. Temos que denunciar onde existe este tipo d esituação.

  2. milts de souza ladeia disse:

    MEU IRMÃO PERDEU O BRAÇO ESQUERDO NO FRIGROR DE 4 MARCOS POR FALHA DA EMPRESA QUE NA ÉPOCA APRESENTAVA IRREGULARIDADES ISSO A 12 ANOS E PRA NÃO PAGAR INDENIZAÇÃO FEZ UM ACORDO GARANTINDO A ESTABILIDADE DE EMPREGO ATÉ A APOSENTADORIA TODOS SABEM DISSO AGORA DEMITIU ELE SEM JUSTA CAUSA E ESTÃO DISTORCENDO O ACORDO ESTAMOS CORRENDO ATRÁS DOS NOSSO DIREITOS MAS PARA POBRE É SÓ DEVER SE ALGUÉM PUDER NOS AJUDAR.NÃO É JUSTO ELE FICAR SEM EMPREGO SEM BRAÇO E SEM INDENIZAÇÃO DEPOIS DE 14 ANOS DE SERVIÇO AINDA MAIS QUE EXISTE UM ACORDO NÃO CONSIGO ME CONFORMAR COM TAMANHA INJUSTIÇA. NÃO VAMOS DESISTIR MAS É DESGASTANTE CORRER ATRÁS DE UMA COISA QUE JÁ É DE DIREITO. MILTS 65 3251 2636.6599881492.JUSTÇA

  3. valdecir vieira de lima disse:

    eu trabalhei 4 anos na fazenda são francisco de mecanico de maquinas senpre foi bem seguro todas as maquinas bem revisada fui operador e motorista são muito boms seor chicão louco bom patrão e amigo são as fazendas santa luzia faz.1000 alquere são domingo só tenho de agradecer simto muito porque cuando presiza de cerviço faz tudo é o melhor despois de estar empregado o patão é mal são defeito das maioria dos fonsionarios mesmo qui tem os ipeis não uzão e falom que o fiscal é chato tenho esteriecia propria obrigado por ser atendido eu queria receber e-mail do senhor dougla bueno xavier ou do chicolouco meu patrão merece meu respeito

  4. Tatiane Barros disse:

    Toda essa situação do Quatro Marcos é muito complicada, pois sou apenas mais uma querendo receber os meus direitos. Fui dispensada da empresa em dezembro de 2008 com 07 meses de gestação e até hoje ainda não recebi. Aguardo ansiosa pelo que é meu.

  5. gutemberg rodrigues sousa disse:

    o frigorifico quatro marcos e uma das firma mais ruim que e ja trabalhei

  6. silvanaladeia disse:

    esse frigorifico é porcaria mesmo trabalhei 3 anos ta na justiça e até hoje não recebi,tanto trsbalho escravo e essa demora, toda pra receber micharia, imajine se fosse muito.ISSO SAI OU NÃO SAI ?

  7. Bruno .R.R.D disse:

    _Tem que haver respeito pela vida do proscimo mesmo que para algum beneficio. _A mão d obra humana é a ferramenta mais importante de uma empresa … Téc.Segurança do Trabalho
    Tel:(65)99464733 (se nescessario)


Repórter Brasil

Trabalho Escravo

Referências

Sites