19/06/2008 - 13:16

Governo federal rebate críticas dos EUA sobre tráfico de pessoas

Análise norte-americana sobre a atuação do Brasil é "unilateral", reage secretário nacional de Justiça. Relatório dos EUA aponta avanços, mas sugere ação mais efetiva contra o tráfico para exploração sexual e escravidão

Por Beatriz Camargo e Maurício Hashizume | Categoria(s): Notícias

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Email this to someone

As críticas dirigidas ao Brasil no "Relatório Sobre Tráfico de Pessoas 2008" do Departamento de Estado dos EUA, divulgado em 4 de junho, partem de uma visão "unilateral" do problema, avalia o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior. "Reconhecemos a existência de problemas e trabalhamos para enfrentá-los. Outros países escondem a realidade e recebem elogios", reage.

Para o secretário, a abordagem "unilateral" contida no documento dos EUA não reconhece o problema em todas as suas dimensões. Segundo ele, as ações previstas no Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (PNETP), que envolvem uma ampla gama de órgãos governamentais federais, estaduais e municipais, em estreita parceria com entidades da sociedade civil, não foram devidamente consideradas pelos norte-americanos. "O Brasil está sendo refém de sua competência", contesta. A despeito de incorporar algumas metas pouco ousadas, o PNETP amplia a participação social.

Na opinião de Romeu Tuma Júnior, ex-delegado de polícia e filho do senador Romeu Tuma (PTB-SP), a questão do tráfico de pessoas precisa ser entendida, em certa medida, como o tráfico de drogas. "Sem o consumidor, esse tipo de crime não se sustenta", salienta. Com isso, o secretário busca evidenciar o papel de outros países – inclusive ricos – na cadeia internacional do tráfico de pessoas. Esse foi um dos aspectos frisados por Romeu Tuma Júnior também no 1º Congresso Internacional do Mercosul e Estados Associados sobre o Tráfico de Pessoas e Pornografia Infantil, realizado semana passada em Buenos Aires, na Argentina. Representantes dos EUA e da França também participaram do evento e ouviram o posicionamento do governo brasileiro.

"Não é verdade que o crescimento econômico brasileiro esteja se dando com base no trabalho escravo", declara o secretário, em resposta direta a uma das conclusões do relatório do governo norte-americano, que vincula o incremento do Produto Interno Bruto (PIB) de países como China, Índia e Brasil à exploração de vítimas de tráfico. No caso específico do Brasil, o documento enfatiza o fato de que metade das cerca de 6 mil libertações de trabalho análogo à escravidão realizada pelo grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 2007 tenha se dado no cultivo de cana-de-açúcar. "É muito engraçado esse ataque ao etanol como parte de um relatório de ordem técnica", ironiza Tuma Júnior, em demonstração de desconfiança com relação a possíveis interesses econômicos por trás do relatório.

Na parte dedicada ao Brasil, o Departamento de Estado dos EUA aponta avanços no enfrentamento ao tráfico de pessoas durante o último ano, mas também vê a necessidade de ações complementares para a erradicação desse crime – tanto no que diz respeito ao tráfico para fins de exploração sexual quanto de trabalho escravo. O relatório referente a 2008 classificou o país novamente, como em 2007, no grupo intermediário da lista – junto com outras nações que não cumprem todas as metas sugeridas, mas se esforçam no combate ao problema. No total, 170 países foram avaliados.

Os EUA colocam o lançamento do PNETP, em janeiro de 2008, como um avanço significativo. A repressão ao tráfico de pessoas para fins de exploração sexual foi considerada boa, embora lacunas sejam assinaladas com relação ao número de processo jurídicos iniciados. A Polícia Federal registrou 200 denúncias relacionadas ao aliciamento de mulheres com fins de exploração sexual no Europa, e outras sete denúncias em rotas internas.

Ação e reação
O relatório classifica como positivo o aumento dos serviços prestados aos trabalhadores retirados da escravidão – hoje todos recebem três meses de seguro-desemprego -, mas frisa que as ações do governo brasileiro são insuficientes para coibir o uso trabalho escravo e impedir que essas pessoas voltem à ser escravizadas.

Para o documento, a "lista suja" do trabalho escravo é uma ferramenta de combate "que continua a prover uma punição branda para aqueles envolvidos nesse crime tão sério, em grande parte pela humilhação pública e pelo impedimento dessas entidades [pessoas ou empresas] terem acesso a empréstimos em instituições financeiras estatais", pondera o Departamento de Estado. "Durante o ano [de 2007], no entanto, um número razoável de indivíduos e empresas conseguiram remover seus nomes da ´lista suja´ através de liminares na Justiça."

Segundo o "Relatório sobre Tráfico de Pessoas 2008", o Brasil fez esforços modestos para fortalecer a lei contra tráfico de pessoas no período observado. Entre as recomendações, os EUA propõem uma legislação federal para punir as formas severas de tráfico de pessoas e continuidade nos esforços para investigar, instaurar processos e julgar os autores desse tipo de crime.

"Continua faltando ao Brasil um sistema centralizado de coleta, análise e documentação das decisões jurídicas antitráfico pelo país", diagnostica o governo norte-americano, frisando a deficiência com relação ao controle de dados sobre o tema. O relatório recomenda ainda uma cooperação do Brasil com os EUA para investigar as acusações do trabalho forçado ligado às importações norte-americanas de ferro-gusa.

A interoperabilidade dos banco de dados federais e estaduais faz parte das ações previstas no Plano Nacional (PNETP), explica o secretário nacional de Justiça. "Os próprios norte-americanos não têm isso", adiciona. "Estamos propondo inclusive um banco de dados para o Mercosul. O país é grande e o enfrentamento ao tráfico é recente. O maior interesse em construir isso é nosso", prossegue. O representante do Ministério da Justiça (MJ) conta ainda que estão sendo instalados Núcleos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas em diversos estados da Federação como parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci).

A legislação sobre o tema também está sendo "melhorada", nas palavras de Romeu Tuma Júnior. "As mudanças legislativas têm seu ritmo", pondera. Ele se defende: "Não há transferência de responsabilidade. Registramos mais de 600 inquéritos. E a quantidade de inquéritos mostra a disposição do governo em dar uma resposta à altura dos problemas".

Critério político
Chile, Japão e Portugal estão junto com o Brasil no segundo grupo, além de outras nações que passaram por conflitos armados recentes, como Afeganistão, Serra Leoa e Ruanda. Fazem parte do primeiro grupo países que, segundo o critério dos EUA, cumprem todas as metas de combate ao tráfico de pessoas. Na lista estão europeus com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), como Suécia, Alemanha e Reino Unido, mas também Espanha – destino de muitas mulheres vítimas do tráfico de pessoas para a exploração sexual – e países do chamado Leste Europeu, região de origem de mulheres traficadas para a Europa ocidental, como a Geórgia.

No "segundo grupo, em estado de atenção", estão países como Argentina, Congo e Rússia. E, no terceiro, estão 14 nações que o relatório julga não fazerem esforços significativos para combater o problema. A maioria deles é do Oriente Médio, além de inimigas políticas dos Estados Unidos, como Coréia do Norte, Cuba e Irã. Em entrevista concedida à Repórter Brasil em 2007, Solmaz Sharif, do Escritório de Monitoramento e Combate do Tráfico de Pessoas do Departamento de Estado norte-americano, defendeu que a classificação é uma "análise objetiva" e leva em consideração a coleta de dados e contribuição de uma vasta rede de fontes.

Notícias relacionadas:
PNETP acumula participação social, mas não ousa nas metas
Para enfrentar tráfico de pessoas, plano define ações até 2010
Ativista da Geórgia relata experiência contra tráfico humano
EUA vêem avanços do combate ao tráfico de pessoas no Brasil
EUA explicam porque Brasil melhorou no combate ao tráfico de pessoas

Banner da campanha financeira da Repórter Brasil

Tags: Trabalho escravo

6 comentários

  1. Amanda Soares Londrina-PR disse:

    Qual a legitimidade do Estados Unidos para realizar relatórios acerca de outros países? Será que um relatório sobre o total de civis iraquianos mortos foi feito?

  2. DJALMA P BENTES disse:

    E as atrocidades que esse país SEMPRE comete em todos os lugares do mundo os os “seus intresses” são contrariados???
    E o depósito de presos em Guantanamo sem qualquer indiciamento?
    que a ONU,OEA e o mundo não estão vendo?

  3. alfio disse:

    Não vamos querer tapar o sol com a penera, nem querer chover no molhado, mas, carece, ao Tio Sam, condições morais para falar deste modo sobre nosso povo. Que deixem de pagar aos maus madeireiros e que não aceitem divulgação sobre o turismo sexual.
    Seria pouco ou quase nada o espaço que teriamos para falar dos descalábaros deste Tio Sam. Que fale sobre o projeto Condor.

  4. alfio disse:

    em lugar de penera leia peneira ( desculpem-me)

  5. Alexandre Neto disse:

    Um País com uma imensa potencialidade energética, com um imenso celeiro e com grande extensões de água. País de um povo hospitaleiro que conviveu com diversas perdas em todos campos, face a nossa servidão aos imperialistas e as políticas mundiais. Hoje com o Tupyniquim saindo do anonimato e com o nosso cartão de visita, claro que iria chamar atenção da cobiça dos imperialistas, que aliás não têm o que falar(terrorismo e etc), tentam de forma veemente nos prejudicar e com a pior das armas que é o terror das comunicações…. Amazônia, Escravidão, Prostituição e etc. Cuidado com os Agentes imperialistas disfarçados de repórters.
    Alexandre Neto

  6. alice disse:

    Os Estados Unidos realmente não tem moral para falar de ninguém, mas isso não redime o governo Brasileiro de sua falta de sensibilidade, efetividade de ações ou omissão em várias assuntos que afligem nossa nação. O governo Brasileiro se especializou em propaganda, mais do que em ações efetivas. Temos exemplos de várias áreas, como a citada na reportagem, que sofrem com a omissão deste governo: Segurança pública, tráfego internacional de drogas, a expansão do clak, educação, saúde, acidentes do trabalho, corrupção, desmatamentos, etc. Mas é isso não sensibiliza nossos governantes e os politicos que lhes dão sustentação, para eles tudo sempre vai bem.


Repórter Brasil

Trabalho Escravo

Referências

Sites