A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Trabalho escravo será debatido em Brasília

Será aberta em Brasília, nesta quarta-feira (12), a reunião ordinária da Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae). A comissão tratará dos ajustes finais para o Encontro Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, que será realizado entre os dias 25 e 27 deste mês, também em Brasília. No Maranhão, o assunto tem atenção especial do governo estadual com a implantação do Centro de Referência em Direitos Humanos de Açailândia que tem ênfase no combate a esse tipo de violência. Entregue em abril, a unidade visa fortalecer os movimentos sociais da região e prestar assistência jurídica, social e psicológica às vítimas e familiares. Para o Secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Sergio Tamer, coordenador do Projeto no Estado, a escravidão no século XXI ganha novos contornos. "É uma nova modalidade que faz parte do tráfico internacional de pessoas e fica atrás somente do tráfico de armas e drogas", afirmou. Medidas para acabar com o problema serão discutidas durante a reunião do Conatrae. Os principais temas a serem abordados serão: "Por que o trabalho escravo persiste?"; "Políticas de repressão e o Sistema de Justiça"; "Trabalho escravo e o Papel do Congresso Nacional"; "Trabalho escravo e Tráfico de Pessoas: políticas de prevenção e assistência às vítimas"; "Trabalho escravo e a economia brasileira"; e "O que falta fazer para erradicar?".

Será aberta em Brasília, nesta quarta-feira (12), a reunião ordinária da Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae). A comissão tratará dos ajustes finais para o Encontro Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, que será realizado entre os dias 25 e 27 deste mês, também em Brasília.

No Maranhão, o assunto tem atenção especial do governo estadual com a implantação do Centro de Referência em Direitos Humanos de Açailândia que tem ênfase no combate a esse tipo de violência. Entregue em abril, a unidade visa fortalecer os movimentos sociais da região e prestar assistência jurídica, social e psicológica às vítimas e familiares.

Para o Secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Sergio Tamer, coordenador do Projeto no Estado, a escravidão no século XXI ganha novos contornos. "É uma nova modalidade que faz parte do tráfico internacional de pessoas e fica atrás somente do tráfico de armas e drogas", afirmou.

Medidas para acabar com o problema serão discutidas durante a reunião do Conatrae. Os principais temas a serem abordados serão: "Por que o trabalho escravo persiste?"; "Políticas de repressão e o Sistema de Justiça"; "Trabalho escravo e o Papel do Congresso Nacional"; "Trabalho escravo e Tráfico de Pessoas: políticas de prevenção e assistência às vítimas"; "Trabalho escravo e a economia brasileira"; e "O que falta fazer para erradicar?".


Apoie a Repórter Brasil

saiba como