A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Enem: uma camisa furada e um passarinho

Há casos em que o trabalhador está submetido a condições tão degradantes de serviço ou é levado aos limites físicos de sua vida que, alijado de sua dignidade, acaba transformado em coisa, mero instrumento descartável

O Enem usou um texto da Repórter Brasil (parte de uma explicação antiga sobre escravidão contemporânea), para fomentar a reflexão sobre o trabalho na construção da dignidade humana – tema da redação deste ano. Para ilustrar, publicou uma imagem também: a de um senhor de costas, de cabelos brancos, com a camisa esburacada pelo excesso de tempo e a falta de recursos, que fingia proteger suas costas de um escaldante sol amazônico.

Ainda lembro de quando bati aquela foto. Era dezembro de 2001 e eu estava fazendo uma reportagem sobre uma operação do governo federal que verificava denúncias de trabalho escravo em Eldorado dos Carajás, Sul do Pará. O nome não é estranho porque esse é o mesmo município onde cinco anos antes ocorrera o massacre de 19 trabalhadores rurais sem-terra em confronto com a polícia militar. Garimpeiro, passava uma parte do ano remexendo a terra e outra roçando-a, para limpar o pasto do patrão – desenvolvendo o Estado na pata do boi, como gostam de dizer por lá. Assim como ele, havia vários na região. Cada um com a mesma história.

"A água parecia suco de abacaxi, de tão suja, grossa e cheia de bichos." / "Se não tivesse me defendido com a mão, o golpe [de facão, do capataz da fazenda] tinha pegado no pescoço" / "Todo mundo viu, mas não pôde fazer nada. Macaco sem rabo não pula de um galho para outro." / "Em Serra Pelada é melhor [do que na fazenda] porque a gente tem nosso barraquinho." / "Com terra para plantar não teria ido embora. Além disso, pessoa bem estudada não precisa sair, arruma emprego. Os outros têm de ir para o machado mesmo". E depois dizem que dezembro é mês de festa.

De lá para cá, a legislação foi alterada e o conceito histórico sofreu mudanças. O cerceamento de liberdade não precisa mais estar presente para ser configurada uma situação análoga à de escravo. Há casos em que o trabalhador está submetido a condições tão degradantes de serviço ou é levado aos limites físicos de sua vida que, alijado de sua dignidade, acaba transformado em coisa, mero instrumento descartável. Nesse momento, mesmo que tenha liberdade de sair e possa receber alguma remuneração, isso acaba não fazendo diferença. Muita gente reclama, diz que é injusto com o empregador, que condições de trabalho obscenas e desumanas são coisa normal. Querem ver correntes prendendo mãos ou similares para ter o crime atestado. Mal sabem eles que as amarras que não existem são aquelas que mais apertam.

Toda essa discussão, na verdade, é uma grande confusão que não passava pela lógica simples e direta do senhor de camisa rasgada e dos seus amigos que ganharam a liberdade por aqueles dias. Um dos resgatados, Raimundo Nonato, após nove meses sem receber, me mostrou uma gaiola de madeira vazia, pendurada em uma árvore ao lado do apertado alojamento na fazenda. Contou que um rapaz havia capturado um passarinho na roça.

– Um galo-de-campina. Mas ele não cantava. Quando está solto, ele canta. Mas passarinho preso não canta, não – acrescentou Joel Mourão Costa, três meses sem salário.
– Se está preso, não tem liberdade. Todos têm de viver livres – retrucou, na hora, Nonato.

E, depois de uma rápida deliberação entre os trabalhadores, abriram a gaiola e o passarinho voou para longe, bem longe

Clique aqui para acessar o Blog do Sakamoto 


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

2 Comentários

  1. LDM

    É SALUTAR QUE QUESTÕES COMO A ESCRAVIDÃO CAMUFLADA SEJAM TRATADAS NAS SALAS DE AULA E ALERTEM OS JOVENS QUANTO AO PERIGO DE SE TORNAR ESCRAVO DO TRABALHO E, ESQUECER DE VIVER.

  2. Albert

    Bom dia !
    É sempre muito bom ler estas matérias como a da camisa furada e o passarinho. Nos dá uma sensação de que nem tudo está perdido. Continuemos na luta contra as desigualdades sociais e raciais. Pensamos que vivemos o cáus em nosso País, porém, recentemente lí em uma revista (não lembro qual agora) algo que me revoltou profundamente (que até então desconhecia): Conflito de Serra Leoa que durou 10 anos (1991 a 2001) vitimou 200.000 pessoas e milhares de multilados (sem mãos ou braços/sem pé ou pernas) de homens/mulheres/crianças, tudo por causa do maldito diamante. Entre no Google ou site similar e digite: Diamantes podres e constatarás a fatídico trecho da “história humana”.