A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Estado terá disque-denúncia para combater trabalho escravo

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos realizou, nesta quarta-feira (27/4), a primeira reunião de instalação da Comissão de Erradicação do Trabalho Escravo no Estado do Rio de janeiro (Coetrae-RJ). Durante o encontro, o secretário Rodrigo Neves anunciou para julho a criação de um disque-denúncia, ligado à Ouvidoria da Secretaria, e uma campanha de combate ao trabalho escravo no estado. – O combate ao trabalho escravo é uma pauta prioritária do Plano Estadual de Direitos Humanos. Em 2009, foram mais de 100 casos comprovados no Estado do Rio. Em 2010, cerca de 53 casos. Em pleno século XXI é inaceitável a existência desse tipo degradação. Vamos ser implacáveis e empenhar nossas energias nessa causa. É neste sentido que decidimos instalar a comissão criada pelo governador Sérgio Cabral no decreto 42542, de 30 de junho de 2010 – destaca o secretário Rodrigo Neves. A reunião foi presidida pelo subsecretário de Promoção e Defesa de Direitos Humanos, Territórios e Cidadania, Antônio Carlos Biscaia, que ressaltou a importância do trabalho que a comissão tem pela frente. – O trabalho escravo, infelizmente, ainda é uma realidade mais intensa aqui no nosso estado, principalmente no Norte Fluminense, onde se encontram as grandes plantações de cana. Temos que ter atenção para isso. A comissão tem um papel fundamental a desempenhar, pois a força de quem explora é grande. A luta para aprovar no Congresso, em segunda discussão, a Emenda Constitucional que autoriza a expropriação de terra onde há comprovadamente trabalho escravo, é um exemplo dessa força. Isso tem que ser uma mobilização de todos – afirma Biscaia.

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos realizou, nesta quarta-feira (27/4), a primeira reunião de instalação da Comissão de Erradicação do Trabalho Escravo no Estado do Rio de janeiro (Coetrae-RJ). Durante o encontro, o secretário Rodrigo Neves anunciou para julho a criação de um disque-denúncia, ligado à Ouvidoria da Secretaria, e uma campanha de combate ao trabalho escravo no estado.

– O combate ao trabalho escravo é uma pauta prioritária do Plano Estadual de Direitos Humanos. Em 2009, foram mais de 100 casos comprovados no Estado do Rio. Em 2010, cerca de 53 casos. Em pleno século XXI é inaceitável a existência desse tipo degradação. Vamos ser implacáveis e empenhar nossas energias nessa causa. É neste sentido que decidimos instalar a comissão criada pelo governador Sérgio Cabral no decreto 42542, de 30 de junho de 2010 – destaca o secretário Rodrigo Neves.

A reunião foi presidida pelo subsecretário de Promoção e Defesa de Direitos Humanos, Territórios e Cidadania, Antônio Carlos Biscaia, que ressaltou a importância do trabalho que a comissão tem pela frente.

– O trabalho escravo, infelizmente, ainda é uma realidade mais intensa aqui no nosso estado, principalmente no Norte Fluminense, onde se encontram as grandes plantações de cana. Temos que ter atenção para isso. A comissão tem um papel fundamental a desempenhar, pois a força de quem explora é grande. A luta para aprovar no Congresso, em segunda discussão, a Emenda Constitucional que autoriza a expropriação de terra onde há comprovadamente trabalho escravo, é um exemplo dessa força. Isso tem que ser uma mobilização de todos – afirma Biscaia.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como