Cartas: Explorao do trabalho na cidade

Josenir Andrade, Una (MG)

Fala-se muito em trabalho escravo, mas não é só nas fazendas que está acontecendo isso, minha gente. É só procurar aqui na cidade, o que esses empresários estão fazendo com seus funcionários. Por exemplo: O coitado começa a trabalhar às 5:30; almoça das 11:00 às 13:00 e sai do trabalho às 5:30 ou vai até às 18:00. Isso de segunda a sábado (sabendo que sábado também nesse horário) . Pergunto eu: Isso é correto? Não são mais 44 horas semanais? Tem mais, o funcionário não tem o direito de ficar doente, pois já vi casos na minha família que o abençoado não quis aceitar o atestado médico. E conheço caso em que uma mulher tabalha quase desse mesmo jeito, não hora de almoço, só tem folga numa segunda-feira e a coitada ainda trabalha sem carteira assinada, só não fala porque tem medo de perder o emprego. E ainda vêem me falar de trabalho escravo! Por favor, coloquem os fiscais na rua, mas que sejam sérios.
Esta seção traz os comentários dos leitores e não necessariamente reflete as opiniões da Equipe Repórter Brasil. O textos são bem-vindos e estão sujeitos à edição para se adaptar ao tamanho padrão. Clique caso queira enviar uma carta para a Repórter Brasil.

Expediente     (C) Copyleft