Tag: Imigrantes

Fiscalização liberta jovem grávida de trabalho escravo em confecção

Fiscalização liberta jovem grávida de trabalho escravo em confecção

São Paulo (SP) – Cárcere privado e violência física e psicológica praticadas em um ambiente de trabalho sob condições degradantes. Essa mistura de violações aos direitos humanos foi descoberta em 16 de janeiro pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE/SP), em ação que resultou na libertação de uma jovem boliviana de 21 anos, grávida de cinco meses. Paula* trabalhava em uma oficina de costura na Zona Norte de São Paulo. Era mantida em cárcere privado pelo dono da oficina, Juan Edwin Machichado, e pelo namorado, Iván Machichado. A Repórter Brasil não conseguiu contatar Juan, que estava na Bolívia no momento da operação. Paula está em um abrigo sigiloso. A fiscalização ainda está sendo finalizada pela SRTE/SP, que está calculando as verbas rescisórias e lavrando os autos de infração.  No momento da fiscalização, um grupo de sete trabalhadores, incluindo Paula, costuravam saias da marca Vismar, cujo dono é o próprio Juan. As peças são vendidas na popular feirinha da madrugada. Os outros trabalhadores quiseram permanecer no local. Alguns tinham filhos já matriculados em escolas próximas à oficina. A denúncia que originou a libertação da jovem foi motivada após ela ter relatado a uma assistente social da Unidade Básica de Saúde da Vila Maria (Zona Norte) dificuldades de sair de casa para realizar o exame de pré-natal. Na ocasião, Paula contou que seu namorado era violento e que trabalhava muito e sob péssimas condições. O caso foi encaminhado ao Centro de Defesa e Convivência da Mulher – Mariás, ao qual a jovem compareceu e confirmou as informações. Contudo, a ida ao local foi descoberta por Iván e...

Marcha celebra luta por direitos de imigrantes e suas famílias

Seus direitos são respeitados? Seus filhos sofrem discriminação na escola? Seu salário é justo? Com esses questionamentos, o Centro de Apoio ao Migrante (CAMI) convida migrantes que vivem em São Paulo e na região metropolitana, entidades da sociedade civil e demais interessados a participar da 6ª Marcha dos Imigrantes, no domingo, dia 2 . O ato faz parte da celebração do dia mundial dos migrantes, que começou em 18 de dezembro de 1990, quando foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) a Convenção sobre a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores Migrantes e Membros de Sua Família, assinada por todos os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul), com exceção do Brasil. A concentração para a marcha começa às 9h na Praça da República, próxima à Rua Itapetininga. A caminhada pelas ruas do centro de São Paulo (SP) esta prevista para as 10h. O ato será encerrado com uma missa ao meio-dia. Mais informações: Centro de Apoio ao Migrante — CAMI Tel. (11) 2694 5428...

Centro de Apoio ao Migrante orienta microempresas e cooperativas

O Centro de Apoio ao Migrante (CAMI)  realiza evento para orientar imigrantes sobre a regularização do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para microempresas e  cooperativas neste domingo, 11 de novembro. O evento será realizado na Praça Kantuta, em São Paulo, a partir das 16 horas. Na programação, estão previstas  a participação da assessora contábil Litz Maria Eugênia, do administrador de empresas Fernando Cavero e de Rene César Barrientos, presidente do Instituto de Culturas e Justiça da América Latina. Os palestrantes falarão sobre a formação de cooperativas, a normatização de microempresas e oficinas de costura e também, sobre a obtenção  e regularização do CNPJ. Após as falas dos convidados, o microfone será aberto para os participantes que desejarem tirar  dúvidas ou compartilhar experiências. Durante o evento a organização distribuirá  gratuitamente o ” Manual Practico para Oficinas Textiles” , uma cartilha explicativa acerca do trabalho na indústria têxtil. Esta assembleia faz parte do conjunto de iniciativas do CAMI,  que tem intuito de instruir a comunidade migrante  acerca de seus direitos e deveres trabalhistas. Ela será a segunda palestra aberta que o Centro de Apoio fará na praça Kantuta. A primeira, realizada em agosto deste ano, teve como tema combate ao trabalho análogo a...

Justiça discute direitos trabalhistas na zona norte de SP

Juízes do trabalho estarão disponíveis para sanar dúvidas, promover oficinas e realizar palestras a respeito da legislação trabalhista ao público (de nacionalidade brasileira ou vinda de países estrangeiros) que vive e/ou circula nos entornos do bairro do Pari, na zona norte de São Paulo (SP), no próximo domingo (21). O evento ocorrerá na Escola Estadual Frei Paulo Luig (Av. Carlos de Campos, 841, no Pari), que fica a cerca de 15 minutos à pé da Praça Kantuta, tradicional reduto de migrantes da Bolívia — que organizam todos os domingos uma feira voltada à comunidade de estrangeiros na cidade. A iniciativa dos membros do Poder Judiciário faz parte da campanha “Juiz do Trabalho: Sempre ao Seu Lado”, organizada pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) em conjunto com a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 2ª Região (Amatra-2) e a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, e tem por objetivo desenvolver a proximidade da atuação dos juízes do trabalho com a população, em geral. A região do Pari, onde ocorrerá o evento, é conhecida por abrigar um grande contingente de imigrantes latino-americanos, principalmente vindos de Bolívia, Paraguai e Peru, que trabalham em costurarias e oficinas têxteis. Alguns deles chegam, inclusive, a sofrer abusos como condições de trabalho degradante ou mesmo o regime análogo ao de escravo. Em uma inspeção realizada este ano, auditores-fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) flagraram, por exemplo, 23 bolivianos que costuravam, em escravidão contemporânea, para a grife de roupas Gregory. “O local escolhido é simbólico, pois a instituição de ensino está situada em área dominada pela comunidade boliviana, reduto de...

Evento retrata vida de imigrantes no Brasil

Imigrantes e refugiados dividirão depoimentos e discorrerão um pouco sobre suas trajetórias e o processo de inserção na sociedade brasileira, no “Seminário Vozes e Olhares Cruzados — Imigrantes e Refugiados, sujeitos de suas histórias”. Organizado pela Missão Paz —por meio do Programa de Mediação, coordenado pelo Centro de Estudos Migratórios (CEM)— em São Paulo, o evento será realizado no próximo dia 28. O objetivo, segundo a organização, é aprofundar a discussão sobre as políticas públicas migratórias no país. Inscrições podem ser feitas aqui. Em conversas abertas ao público e à imprensa ou por meio de vídeos, estrangeiros latino-americanos, africanos e asiáticos contarão um pouco sobre suas vidas e trarão histórias que descrevem uma conjuntura marcada por significativas estatísticas. A Organização das Nações Unidas (ONU) estimou, em 2010, que mais de 214 milhões de pessoas, no mundo inteiro, viviam fora do país onde nasceram; apenas na América Latina, estariam mais de 7,5 milhões de migrantes. De acordo com dados do Ministério da Justiça, pelo menos 1,5 milhão de imigrantes estariam vivendo oficialmente, em 2011, no Brasil. A Missão Paz, no entanto, supõe que o número seja maior — a organização acolheu, ao todo, 4.158 migrantes vindos de 66 países diferentes, no ano passado. Políticas públicas O seminário acompanhará também o lançamento especial do livro “Las Políticas Públicas sobre Migraciones y la Sociedad Civil en América Latina – Los casos de Argentina, Brasil, Colombia y México”, coordenado e editado pelo padre e teólogo brasileiro Leonir Mario Chiarello, Diretor Executivo da Missão Paz. Em mais de 4 capítulos e 644 páginas, estudiosos retratam a história e traçam o cenário da imigração nos quatro maiores, e...