A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Sete pessoas são libertadas de área de esposa de deputado

Operação fiscal libertou trabalhadores da Fazenda Paineiras, em Juara (MT), que pertence à Janete Riva. Ela é casada com o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso (AL-MT), José Riva (PP)

Fiscalização ocorrida na Fazenda Paineiras, que pertence à Janete Gomes Riva e fica em de Juara (MT), encontrou sete pessoas em condições análogas à escravidão. Janete é esposa do deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso (AL-MT), José Geraldo Riva (PP). 

A operação contou com a participação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da Polícia Civil (PC) e transcorreu no final de abril, após recebimento de denúncia.

A equipe que esteve na área encontrou 51 empregados – 42 deles estavam sem registros e anotações na Carteira de Trabalho e da Previdência Social (CTPS). De acordo com os agentes fiscais, sete que trabalhavam no roçado do pasto eram mantidos em regime de trabalho escravo. Com mais de 7 mil hectares, a Fazenda Paineiras reserva cerca de 1,8 mil hectares para a criação de aproximadamente 3,5 mil cabeças de gado bovino.

Segundo a fiscalização, o gerente da propriedade contratara dois "gatos" (como são conhecidos os aliciadores) para arregimentar mão de obra na região da fazenda. Conforme apurações, as vítimas pagavam pelas ferramentas de trabalho: o próprio gerente descontava valores dos salários.

Um barraco de lona era o "dormitório" de três dos empregados libertados. Eles foram os primeiros encontrados pelos auditores fiscais do trabalho e relataram que outras pessoas estavam em situação semelhante. Outros quatro ocupavam abrigo de madeira em precárias condições. A empregadora não fornecia camas ou colchões. Todos dormiam em espumas improvisadas como camas. O local era chamado de "Projeto Manjo".

Barracos oferecidos pela empregadora não tinham condições de higiene e segurança (Foto: MTE)

A água consumida pelos trabalhadores rurais vinha de um rio próximo a um dos barracões e não passava por filtragem. As águas do mesmo córrego também eram utilizadas para tomar banho. As frentes de trabalho e os alojamentos não tinham instalações sanitárias e os empregados eram obrigados a utilizar o mato como banheiro. As refeições eram preparadas de forma improvisada: não havia cozinhas disponíveis para os empregados.

A jornada de trabalho era exaustiva, de segunda à sábado, e o descanso semanal não era remunerado, como exige a lei. Os salários dos trabalhadores não estavam sendo pagos corretamente. Nenhum Equipamento de Proteção Individual (EPI) era fornecido aos empregados, a despeito do risco da atividade exercida (manuseavam foices para o roço do pasto). Não havia qualquer material de primeiros socorros no local, o que tornava impossível o primeiro atendimento em caso de acidente.

Água utilizada pelos empregados para beber, cozinhar e tomar banho vinha de córrego (Foto: MTE)

No dia 23 de abril, a dona da Fazenda Paineiras, por meio de seus advogados, realizou os pagamentos das verbas rescisórias devidas, que superou R$ 33 mil. Também foram destinados valores referentes aos danos morais individuais, no valor de quase R$ 13 mil. Ao todo, o MTE lavrou 17 autos de infração. O MPT, por sua vez, encaminhou o caso ao Ministério Público Federal (MPF) para que o crime de trabalho análogo a de escravo (Art. 149 do Código Penal) e a sonegação de contribuições federais sejam apurados.

Contudo, Janete Riva, que é coordenadora da Sala da Mulher da AL-MT, não aceitou assinar Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) proposto pelo MPT. Diante da recusa, o MPT ajuizou uma ação civil pública (ACP) contra a fazendeira, pedindo uma indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 1 milhão e o pagamento de despesas com a divulgação de campanha de combate ao trabalho escravo em emissoras de rádio. A ação ainda não foi julgada, de acordo com a assessoria de comunicação do MPT.

Crime ambiental
A Fazenda Paineiras também foi inspecionada, em 21 de maio deste ano, pela Operação Jurupari, realizada pela Polícia Federal (PF) para reprimir a extração, transporte ou comércio ilegal de produtos oriundos da Amazônia. Janete Riva chegou a ser detida sob a acusação de crime ambiental, mas foi solta no dia 26 do mesmo mês e responde o processo em liberdade.

Na ocasião, foram expedidos 91 mandados de busca e apreensão e 91 mandados de prisão preventiva em diversos municípios de Mato Grosso e de outros estados. A análise de documentos fornecidos pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente evidenciou irregularidades na emissão de licenças ambientais e autorizações de exploração florestal na área. Os presos na Operação Jurupari são acusados de participação em esquema de crimes e danos ambientais de aproximadamente R$ 900 milhões.

A Repórter Brasil entrou em contato com as assessorias da proprietária Janete Riva e do deputado estadual pelo Mato Grosso, José Riva (PP), e não obteve retorno sobre o caso até o fechamento desta matéria.

Notícias relacionadas:
Egressos do trabalho escravo concluem curso no Mato Grosso
Evento reaviva 40 anos de luta contra o trabalho escravo
Fundo de Erradicação do Trabalho Escravo é criado no MT


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

5 Comments

  1. Que nojo!!! saber que esse pessoal vai ficar sem punição é o fim!

    Reply
  2. Este crime e esta multa são os que serão perdoados com a nova lei ambiental do magnânimo comunista Aldo Rabelo?

    Reply
  3. Que tal fazer uma consulta ao senhor Aldo Rabello, Deputado Federal do PCdoB e amigo de ruralista. Talvez ele tenha uma solução para o problema,já que o ministério do trabalho está sendo extinto, ele pode propor um PL que acabe de vez com as relações de trabalho e todos os trabalhadores voltem a ser escravos com antigamente. Absurdo? Não tenham tanta certeza. Para nossos políticos e agregados, tudo é questão de conversar…

    Reply
  4. Este site traz a tona conteúdos de extrema importância. É inconcebivel que ainda seja praticado esses atos crimonosos.

    Reply
  5. É deplorável,em pleno século 21 ocorrer umas coisas dessas……… só no Brasil mesmo é que estas coisas acontecem com tal frequencia é o fim .Prisão pra esses exploradores é pouco.

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Formad – Fórum de Direitos Humanos e da Terra do Mato Grosso e mais 38 instituições reivindicam exoneração de Janete Riva - [...] A Fazenda Paineiras também foi inspecionada, em 21 de maio do mesmo ano, pela Operação Jurupari, realizada pela Polícia…
  2. Organizações repudiam nomeação de “lista suja” para o governo » Repórter Brasil - [...] do estado ou com atuação local, lembra que Janete foi incluída na compilação após sete trabalhadores em condições análogas…
  3. Tv Meio Ambiente | Pedro Casaldáliga pede retirada de seu nome de prêmio de jornalismo em MT - [...] de Cultura.Janete Riva teve seu nome incluído na lista suja do Ministério do Trabalho após sete pessoas terem sido…
  4. Pedro Casaldáliga pede retirada de seu nome de prêmio de jornalismo em MT « Associação Rumos - [...] de Cultura. Janete Riva teve seu nome incluído na lista suja do Ministério do Trabalho após sete pessoas terem…
  5. Pedro Casaldáliga pede retirada de seu nome de prêmio de jornalismo « Associação Rumos - [...] de Cultura. Janete Riva teve seu nome incluído na lista suja do Ministério do Trabalho após sete pessoas terem…
  6. Com liminar, secretária de estado do Mato Grosso força saída da ‘lista suja’ » Repórter Brasil - [...] à de escravo, a chamada “lista suja”. Ela havia sido incluída em julho de 2012, devido ao flagrante de…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *