Equipe da Repórter Brasil

Fundada, em 2001, por jornalistas, cientistas sociais e educadores, a Repórter Brasil tem como missão identificar e tornar públicas situações que ferem direitos trabalhistas e causam danos socioambientais no Brasil visando à mobilização de lideranças sociais, políticas e econômicas para a construção de uma sociedade de respeito aos direitos humanos, mais justa, igualitária e democrática. Devido ao seu trabalho, tornou-se uma das mais importantes organizações envolvidas no combate ao trabalho escravo contemporâneo e ao tráfico de seres humanos no país.

REPÓRTER BRASIL

Presidente: Leonardo Sakamoto. Conselho Diretor: Claudia Carmello Cruz, Iberê Francisco Thenóri, Paula Monteiro Takada, Maurício Eraclito Monteiro Filho, Rodrigo Pelegrini Ratier. Conselho Fiscal: Beatriz Costa Barbosa, Luiz Guilherme Barreiros Bueno da Silva e Spensy Kmitta Pimentel

a) Conheça a equipe que trabalha diariamente e possui vínculo com a instituição:

Secretário-executivo e coordenador da área de Pesquisa

Marcel Gomes é o secretário-executivo da ONG Repórter Brasil. Na organização desde 2008, coordenou pesquisas sobre os impactos socioambientais da cadeia de produção agropecuária e de biocombustíveis. Formado em jornalismo e com mestrado em ciência política, ambos na USP, já trabalhou no Dieese, na editora Globo, no jornal Valor Econômico e no portal Carta Maior (marcel@reporterbrasil.org.br, ramal 11)

Coordenadora da área de Jornalismo

Ana Aranha é repórter investigativa e documentarista, tem 11 prêmios de jornalismo, entre eles dois GPs Ayrton Senna, uma menção honrosa no Vladimir Herzog e dois HSBC/Jornalistas&Cia. Formada em jornalismo pela USP, começou como repórter na revista Época e desde 2011 se dedica ao jornalismo independente, colaborando para diversos veículos (e veículos diversos) como The Guardian, El Mundo, agência Pública, Veja, Rolling Stone, Marie Claire e GQ (ana@reporterbrasil.org.br, ramal 18)

Ana Aranha é repórter investigativa e documentarista, tem 11 prêmios de jornalismo, entre eles dois GPs Ayrton Senna, uma menção honrosa no Vladimir Herzog e dois HSBC/Jornalistas&Cia. Formada em jornalismo pela USP, começou como repórter na revista Época e desde 2011 se dedica ao jornalismo independente, colaborando para diversos veículos (e veículos diversos) como The Guardian, El Mundo, agência Pública, Veja, Rolling Stone, Marie Claire e GQ (ana@reporterbrasil.org.br, ramal 18)

Coordenadora da área de Educação

Natália Suzuki  é jornalista e cientista social pela Universidade de São Paulo e pós-graduada em Direitos Humanos e Intervenção Humanitária pela Universidade de Bolonha (2008). Foi repórter da Agência Carta Maior de Notícias (2006-07); estagiou na United Nations Office on Drugs and Crimes (UNODC) de Viena (2008) na área de comunicação e no projeto contra tráfico de pessoas; trabalhou nas áreas de comunicação e educação de organizações brasileiras da sociedade civil. É mestranda do departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo.

Natália Suzuki é jornalista e cientista social pela Universidade de São Paulo e pós-graduada em Direitos Humanos e Intervenção Humanitária pela Universidade de Bolonha (2008). Foi repórter da Agência Carta Maior de Notícias (2006-07); estagiou na United Nations Office on Drugs and Crimes (UNODC) de Viena (2008) na área de comunicação e no projeto contra tráfico de pessoas; trabalhou nas áreas de comunicação e educação de organizações brasileiras da sociedade civil. É mestranda do departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (natalia@reporterbrasil.org.br, ramal 13)

Subcoordenador da área de Educação

Thiago Casteli é subcoordenador do programa Escravo, nem pensar! Formado em História pela Universidade de São Paulo (USP), atuou como arte-educador no Memorial da América Latina (2007-2009) e como monitor de intercambistas norteamericanos no Council on International Educational Exchange (2009-2010). Além disso, foi educador de uma rede de cursinhos populares de São Paulo (2010-2011).

Thiago Casteli é formado em História pela Universidade de São Paulo (USP), atuou como arte-educador no Memorial da América Latina (2007-2009) e como monitor de intercambistas norteamericanos no Council on International Educational Exchange (2009-2010). Foi educador de uma rede de cursinhos populares de São Paulo (2010-2011) (thiago.casteli@reporterbrasil.org.br, ramal 15)

Repórter da área de Jornalismo

Piero Locatelli é jornalista formado pela Universidade de São Paulo. Escreveu sobre política e direitos humanos em veículos como UOL, iG, Terra e CartaCapital. Também fez parte da equipe de jovens jornalistas da International Anti-Corruption Conference, da ONG Transparency International. É autor do livro digital #VemPraRua (Companhia das Letras).

Piero Locatelli é jornalista formado pela Universidade de São Paulo. Escreveu sobre política e direitos humanos em veículos como UOL, iG, Terra e CartaCapital. Também fez parte da equipe de jovens jornalistas da International Anti-Corruption Conference, da ONG Transparency International. É autor do livro digital #VemPraRua, da Companhia das Letras (piero@reporterbrasil.org.br, ramal 17)

Educadora

Jéssica Stuque é formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo e realizou intercâmbio acadêmico na Universidad Carlos III de Madrid. Trabalhou na TV USP, produzindo reportagens voltadas para temática de direitos humanos, e como freelancer no jornal Folha de S. Paulo. Iniciou sua atuação na área de educação em 2010, quando integrou o Projeto Redigir (ECA-USP). Atualmente, é educadora no programa Escravo, nem pensar! e documentarista independente.

Jéssica Stuque é jornalista formada pela Universidade de São Paulo e realizou intercâmbio acadêmico na Universidad Carlos III de Madrid. Trabalhou na TV USP, produzindo reportagens voltadas para temática de direitos humanos, e como freelancer no jornal Folha de S. Paulo. Iniciou sua atuação na área de educação em 2010, quando integrou o Projeto Redigir (ECA-USP). Atualmente, é educadora no programa Escravo, nem pensar! e documentarista independente (jessica@reporterbrasil.org.br, ramal 14)

Assistente da coordenação

Marília Ramos é formada em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo, atua na área de direitos humanos desde 2010. Trabalhou na ONG Conectas Direitos Humanos e no projeto de apoio à Relatoria da ONU para o direito à moradia adequada no LabCidade FAUUSP (marilia@reporterbrasil.org.br, ramal 11)

Marília Ramos é formada em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo, atua na área de direitos humanos desde 2010. Trabalhou na ONG Conectas Direitos Humanos e no projeto de apoio à Relatoria da ONU para o direito à moradia adequada no LabCidade FAUUSP (marilia@reporterbrasil.org.br, ramal 11)

Coordenadora financeira

Fabiana Garcia é coordenadora financeira da Repórter Brasil. Formada em Administração de empresas com especialização em Recursos Humanos, atua no terceiro setor desde 1999, com experiência de mais de 15 anos na área de financeira em ONGs, OSCIPs e Institutos Empresariais.

Fabiana Garcia é coordenadora financeira da Repórter Brasil. Formada em administração de empresas com especialização em recursos humanos, atua no terceiro setor desde 1999, com experiência de mais de 15 anos na área de financeira em ONGs, OSCIPs e Institutos Empresariais (fabiana.garcia@reporterbrasil.org.br, ramal 21)

Analista financeira

Juliana Fuhrmann é assistente financeira da Repórter Brasil. É formada em Administração de Empresas pela Faculdade Oswaldo Cruz.

Juliana Fuhrmann é formada em Administração de Empresas pela Faculdade Oswaldo Cruz (juliana@reporterbrasil.org.br, ramal 20)

b) Conheça os colaboradores eventuais da Repórter Brasil:

Colaboradores da área de Documentários 

Caio Cavechini colabora com a Repórter Brasil dirigindo documentários: Correntes (2006); Carne, Osso (2011) e Enchente não arranca Raiz (2012) foram selecionados para importantes festivais de cinema, como o É Tudo Verdade e o DOK Leipzig. Caio é também editor executivo do Profissão Repórter, da TV Globo. Como jornalista, participou de coberturas como o terremoto no Haiti (2010), a ofensiva de Israel contra Gaza (2012) e as enchentes históricas em Santa Catarina, Acre e Pernambuco.

Caio Cavechini colabora com a Repórter Brasil dirigindo documentários: Correntes (2006); Carne, Osso (2011) e Enchente não arranca Raiz (2012) foram selecionados para importantes festivais de cinema, como o É Tudo Verdade e o DOK Leipzig. Formado em jornalismo pela USP, Caio é também editor executivo do Profissão Repórter, da TV Globo. Como jornalista, participou de coberturas como o terremoto no Haiti (2010), a ofensiva de Israel contra Gaza (2012) e as enchentes históricas em Santa Catarina, Acre e Pernambuco.

Carlos Juliano Barros é jornalista formado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e mestre em Geografia Humana pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da mesma instituição (FFLCH-USP). Finalista do Prêmio Esso 2009 e Menção Honrosa no Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos em 2010, colabora para diversas publicações. Um dos fundadores da ONG Repórter Brasil, dirigiu em parceria com Caio Cavechini o documentário “Carne Osso – O Trabalho em Frigoríficos”, selecionado para o “Festival de Gramado” e “É Tudo Verdade”, e vencedor do DOK Leipzig (Alemanha) em 2011, do Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM) em 2011 e do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos de Melhor Documentário para Televisão em 2013. Com a reportagem digital “Moendo Gente” publicada pela Repórter Brasil, foi finalista do German Development Media Awards, promovido pelo grupo alemão Deutsche Welle, e do Prêmio Gabriel García Marquez, da Colômbia, na categoria inovação.

Carlos Juliano Barros é formado em jornalismo e mestre em Geografia Humana, ambos pela USP. Um dos fundadores da Repórter Brasil, dirigiu em parceria com Caio Cavechini o documentário Carne, Osso, selecionado para o “Festival de Gramado” e “É Tudo Verdade”, e vencedor do DOK Leipzig (Alemanha) em 2011, do Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM) em 2011 e do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos de Melhor Documentário para Televisão em 2013. Com a reportagem digital “Moendo Gente” publicada pela Repórter Brasil, foi finalista do German Development Media Awards, promovido pelo grupo alemão Deutsche Welle, e do Prêmio Gabriel García Marquez, da Colômbia, na categoria inovação. (caju@reporterbrasil.org.br) 

 Colaboradores de Jornalismo, Pesquisa e Educação

André Campos é jornalista formado pela USP e pesquisador especializado em investigações sobre cadeias produtivas. Pela Repórter Brasil, realizou, entre outros trabalhos, o app para smartphones “Moda Livre”, a plataforma multimídia “Moendo Gente” e a reportagem “Quem se beneficia com a destruição da Amazônia”, vencedora do Prêmio Fiema de Jornalismo Ambiental e finalista do prêmio Esso de Reportagem.

André Campos é jornalista formado pela USP e pesquisador especializado em investigações sobre cadeias produtivas. Pela Repórter Brasil, realizou, entre outros trabalhos, o app para smartphones “Moda Livre”, a plataforma multimídia “Moendo Gente” e a reportagem “Quem se beneficia com a destruição da Amazônia”, vencedora do Prêmio Fiema de Jornalismo Ambiental e finalista do prêmio Esso de Reportagem. (andre@reporterbrasil.org.br)

Antonio Biondi é jornalista formado pela USP em 2002 e advogado, bacharel em Direito pela mesma instituição. Foi secretário executivo do Conselho Curador da EBC nos anos de 2012 e 2013, e colaborou com a equipe de comunicação do Fórum Mundial de Direitos Humanos em 2013. Atuou como pesquisador do Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis da Repórter Brasil de 2007 a 2011. Foi repórter especial da agência Carta Maior e editor da revista Sem Terra, tendo publicado matérias em diversos veículos, como Revista do Brasil, Revista Adusp, Carta Capital, Caros Amigos e Fórum, entre outros. Vencedor do prêmio CNT 2007 na categoria Internet, é um dos coordenadores do projeto O Brasil de Aloysio Biondi e integrante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social. É colaborador da Repórter Brasil.

Carolina Falcão Motoki é formada em Jornalismo pela USP e especialista em Educação do Campo pela UFPA. Integrou o Escravo, Nem Pensar! de 2006 a 2013. Em 2007, mudou-se para o norte do Tocantins, onde coordenou a sede regional da Repórter Brasil. É associada e colaboradora da Repórter Brasil.

Fernanda Sucupira é jornalista formada pela USP, especialista em gênero e igualdade nas políticas públicas pela Universidad Autónoma de Barcelona e mestranda em sociologia pela Unicamp. Foi repórter da editoria de direitos humanos da Agência Carta Maior, diplomada pela ANDI como Jornalista Amiga da Criança. Foi coordenadora do programa “Escravo, nem pensar!” da Repórter Brasil, que atua na prevenção ao trabalho escravo. Atualmente é membro e colaboradora da organização.

Fernanda Sucupira é jornalista formada pela USP, especialista em gênero e igualdade nas políticas públicas pela Universidad Autónoma de Barcelona e mestranda em sociologia pela Unicamp. Foi repórter da editoria de direitos humanos da Agência Carta Maior, diplomada pela ANDI como Jornalista Amiga da Criança. Foi coordenadora do programa “Escravo, nem pensar!” da Repórter Brasil, que atua na prevenção ao trabalho escravo. É associada e colaboradora da organização.

Investigador do Projeto ALICE - Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas, coordenado por Boaventura de Sousa Santos, e doutorando em Sociologia (Programa de Pós-Colonialismos e Cidadania Global) no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (UC). Mestre em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (2010), concluiu tese sobre a formação do movimento katarista, especialmente em seu período inicial (1969-1985), que tem papel relevante na consolidação dos movimentos indígenas, originários e camponeses na Bolívia. É graduado em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela mesma universidade (2001). Vem atuando há mais de uma década como jornalista (com diversos trabalhos de investigação, reportagem e cobertura, especialmente na área social). No campo acadêmico, trabalha com os seguintes temas: movimentos sociais, classes sociais e cultura (cultura sociopolítica), Estado e interculturalidade, ação política e participação social.

Maurício Hashizume é pesquisador do Projeto ALICE – Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas, coordenado por Boaventura de Sousa Santos, e doutorando em Sociologia (Programa de Pós-Colonialismos e Cidadania Global) no Centro de Estudos Sociaisda Universidade de Coimbra. Formado em jornalismo e mestre em Sociologia, ambos pela USP, vem atuando há mais de uma década como jornalista (com diversos trabalhos de investigação, reportagem e cobertura, especialmente na área social). Foi coordenador da área de jornalismo da Repórter Brasil e se mantém como associado da instituição e seu colaborador.

Rodrigo Ratier é formado em jornalismo e doutorando em Educação pela USP. É editor-responsável pela revista e pelo site de Nova Escola. Foi editor das revistas Superinteressante e Mundo Estranho, professor da especialização em Jornalismo Político da PUC-SP e de jornalismo no Colégio Stockler. É um dos fundadores do Projeto Redigir Jornalismo USP. Na Repórter Brasil, atua como colaborador da área de educação e comunicação.

Rodrigo Ratier é formado em jornalismo e doutorando em Educação pela USP. É editor-responsável pela revista e pelo site de Nova Escola. Foi editor das revistas Superinteressante e Mundo Estranho, professor da especialização em Jornalismo Político da PUC-SP e de jornalismo no Colégio Stockler. É um dos fundadores do Projeto Redigir Jornalismo USP. Na Repórter Brasil, atua como colaborador da área de educação e comunicação.

 Thaís Brianezi é jornalista (ECA/USP, 2001), com mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia (UFAM, 2007) e doutorado em Ciência Ambiental (Procam/USP, 2013). Tem experiência na área de comunicação e sociedade, com ênfase na problemática socioambiental, atuando como pesquisadora, professora, analista de projetos e repórter multimídia. Em 2006, ganhou menção honrosa no Prêmio Vladmir Herzog de Jornalismo e Direitos Humanos, na categoria Internet.

Thaís Brianezi é jornalista formada pela USP, com mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia (UFAM, 2007) e doutorado em Ciência Ambiental (Procam/USP, 2013). Tem experiência na área de comunicação e sociedade, com ênfase na problemática socioambiental, atuando como pesquisadora, professora, analista de projetos e repórter multimídia. Em 2006, ganhou menção honrosa no Prêmio Vladmir Herzog de Jornalismo e Direitos Humanos, na categoria Internet. É colaboradora da organização.

 

Programadores e designers que ajudaram a construir a cara Repórter Brasil: Cauê Thenório, Daniela de Carvalho Matielo, Erica Watanabe, Gustavo Monteiro, Gustavo Ohara, Iberê Thenório, Luiza Peixe, Tiago Madeira, Uiu Cavalheiro.

***

Profissionais da mídia, por favor entrem em contato com Diego Segura, da Agência Ideal, pelo endereço de e-mail diego.segura@agenciaideal.com.br

***

Todo nosso conteúdo esta licenciado em Creative Commons, licença 2.0 – reprodução livre, desde que citada a fonte.  As opiniões expressas nos artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião da Repórter Brasil. Blog do Sakamoto não faz parte da organização, sendo de responsabilidade de seu autor.