A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Pedro Casaldáliga lembra escravizados ao receber homenagem

Bispo recebe reconhecimento por seu trabalho em defesa dos povos de São Félix do Araguaia em comemoração aos 20 anos do Ministério Público do Mato Grosso

São Félix do Araguaia (MT) – O bispo Pedro Casaldáliga dedicou aos escravizados a homenagem que recebeu por sua atuação em defesa dos direitos humanos e no combate à escravidão contemporânea durante o seminário “1970-2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil”, realizado em São Félix do Araguaia na noite desta sexta-feira, 1º de fevereiro. O evento, organizado pela Comissão Pastoral da Terra foi também de comemoração dos 20 anos do Ministério Público do Trabalho no Mato Grosso e reuniu moradores locais e de cidades vizinhas, representantes de prefeituras da região e autoridades.

pedro

Pedro Casaldáliga recebe placa em sua homenagem das mãos de Thiago Ribeiro, procurador-chefe do MPT-MT. Foto: Daniel Santini

Aos 84 anos, o bispo fez questão de permanecer entre o público durante o evento, sentado em uma cadeira de plástico como os demais. Conversou com todos que o procuraram, agradeceu a homenagem e defendeu a importância da continuidade na luta contra o trabalho escravo contemporâneo. O protagonismo do missionário nas denúncias no país foi destacado por Thiago Gurjão Alves Ribeiro, procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho. Ele lembrou que Pedro escreveu relatórios detalhados apresentando dados sobre casos específicos na década de 1970 em plena ditadura militar, com o “estado brasileiro então tomado de assalto pelo totalitarismo”.

Ele explicou que o órgão optou por celebrar os 20 anos da existência da instituição no Mato Grosso, “longe dos palácios, coquetéis e celebridades”, para ser “um ato que marcasse a essência do que somos”. Também destacou que a opção foi também um posicionamento. “Ou se está de um lado, ou se está de outro. E nós estamos do lado dos direitos humanos”, afirmou. “Homenagear alguém é dizer o que somos e o que queremos ser”.

Escravo, Nem Pensar!
No evento, aconteceu também o lançamento da nova edição do livro “Escravo, Nem Pensar! – Uma abordagem sobre o trabalho escravo contemporâneo na sala de aula e na comunidade”, publicação da Repórter Brasil. “Para nós, foi importante fazer o lançamento em uma homenagem como esta no Mato Grosso, onde ainda há problemas recorrentes e todo histórico”, disse a educadora Carolina Motoki, responsável pelo escritório da organização em Araguaína, no Tocantins.

Também foi realizada uma mesa de debate com o procurador Marco Aurélio Estraiotto, o coordenador da campanha de combate à escravidão da CPT Xavier Plassat, que participou representando a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), e do secretário-geral da Comissão Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Mato Grosso (Coetrae-MT) Edimar Roberto  Brandini.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

3 Comments

  1. Tudo o que fizermos para homenagear pessoas como dom Pedro Casaldáliga, dom Paulo Evaristo Arns, entre outros, é tão pouco diante da importância deles na história de nosso país.

    No próximo dia 7 na Câmara Municipal de São Paulo, nós do Comitê de solidariedade a dom Pedro Casaldáliga e ao Povo Xavante estaremos manifestando o nosso apoio e reiterando nossa homenagem e gratidão.

    Como diz o próprio Pedro : ” seguimos crendo na justiça e na esperança “.

    Paulo Pedrini

  2. companheiros e companheiras da Repórter Brasil, sou grato em ter estado com voces em são Félix. Algumas pessoas, aqui “chegantes” a Prelazia de são Félix, nos julgam um tanto ultrapassados, “fora de moda” eu diria, em nossas opções eclesiais e socio políticas, mais… como mudar? Se o Evangelho e os pobres permanecem o mesmo!!!
    Abraços a voces e força na caminhada, mantém essa tão evangélica coerencia que lhes é característica do trabalho desempenhado.
    Luís Claudio – CPT Araguaia

  3. Este evento foi sem dúvida uma mostra da coragem e determinação dos que travam esta dura luta contra o trabalho escravo. D. Pedro, aos 84, ainda tem forças e coragem para lutar!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Seminário debate educação no combate ao trabalho escravo e infantil | Meia infância - [...] Veja também: Pedro Casaldáliga lembra escravizados ao receber homenagem [...]
  2. Seminário termina com Carta-Compromisso contra o Trabalho Escravo no Mato Grosso » Repórter Brasil - [...] e comprometimento Durante o seminário, o bispo Pedro Luís Casaldáliga foi homenageado por seu trabalho na luta contra a…
  3. Combate ao Racismo Ambiental » Monocultivo de soja invade região do Araguaia, no Mato Grosso - [...] denúncia coletiva foi feita em encontro durante o seminário “1970-2012: a Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil”, realizado…
  4. Cobertura completa do seminário “1970-2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil” » Repórter Brasil - [...] Pedro Casaldáliga lembra escravizados ao receber homenagem [...]
  5. Cobertura completa do seminário “1970-2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil” | Portal do Controle Social de Sarandi/Pr - [...] Pedro Casaldáliga lembra escravizados ao receber homenagem [...]
  6. Casaldáliga pede exclusão de seu nome de prêmio » Repórter Brasil - [...] Em 1º de fevereiro, durante o seminário “1970-2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil”, realizado em…
  7. Latifúndio | Tudo que é sólido se desmancha no ar - […] mas Luciara é um município constituído e Posto da Mata era uma vila em uma Terra Indígena. Pedro Casaldáliga sempre disse…