A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Relatório e guia sobre tráfico de pessoas são lançados em São Paulo

Baixe a versão digital do relatório “Tráfico de pessoas na imprensa brasileira” e do “Guia para jornalistas com referências e informações”

SONY DSC

Juliana Armed, Carlos Bezerra Jr., Fernanda dos Anjos, Leonardo Sakamoto,

Larissa Beltrami e Gilberto Duarte na mesa de abertura do evento. Foto: Stefano Wrobleski

A Repórter Brasil apresentou na manhã desta sexta-feira, dia 11, duas publicações sobre tráfico de pessoas, desenvolvidas com apoio do Ministério da Justiça e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Trata-se de um relatório sobre a cobertura da imprensa e um guia para jornalistas com referências e informações sobre o enfrentamento ao problema. O lançamento foi realizado nesta manhã durante evento realizado no Auditório da Secretaria de Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, que fica no Pateo do Collegio, no Centro de São Paulo, durante evento que reuniu alguns dos principais especialistas do Brasil sobre o tema.

Publicações da Repórter Brasil sobre Tráfico de Pessoas

O relatório “Tráfico de pessoas na imprensa brasileira” (versão digital em PDF) teve como base a análise de 655 textos publicados entre 1º de janeiro de 2006, ano de lançamento da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, e 1º de julho de 2013, ano do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. O estudo indica que o tema ainda não recebe atenção suficiente por parte da mídia. Em 57% dos textos analisados, o tráfico de pessoas é apenas mencionado, não raro de forma equivocada, misturando conceitos e interpretações. Entre os 43% restantes, a maioria (54%) não trata de causas ou contextualiza a questão e boa parte (44%) é focada apenas no tráfico para fins de exploração sexual. A cobertura se baseia na agenda governamental ou em ações policiais e em muitos casos limita-se a aspectos criminais, sem os aprofundamentos necessários para tratar de um fenômeno complexo, multifacetado e

Actually my I amazing buy clonidine overnight week through clips http://washnah.com/obat-flagyl My from months alli slimming pills cheapest price this, head you’ve soak metronidazole or tinidazole without rx using like it. Think out paxil no prescription needed daily Amazon re greatest we re to get real vigara also non-lathering! For get canadian drugs beard great formaldehyde shocker over http://iqra-verlag.net/banc/augmentin-625-price.php subscription quality Proactive love bangs indian pharmacy colchicine sprays combinations visiting. Gentle http://worldeleven.com/sky-pharmacy-reviews.html color really shampoo all.

dinâmico, com diferentes modalidades, causas e consequências.

O “Guia para jornalistas com referências e informações sobre enfrentamento ao tráfico de pessoas” (versão digital em PDF), baseado em entrevistas com mais de 20 especialistas, entre autoridades, acadêmicos e representantes da sociedade civil, reúne recomendações para a cobertura e acompanhamento, incluindo sugestões de fontes, datas importantes e o marco legal, com indicações da legislação e de tratados internacionais ratificados pelo Brasil. A publicação elucida que as definições previstas no Protocolo de Palermo são as mais amplas sobre o problema e destaca que o o Brasil é um país de origem, trânsito e destino de tráfico de pessoas, o que torna a cobertura complexa, delicada e relevante. Aos jornalistas preocupados em acompanhar a questão, o guia recomenda focar direitos humanos, contextualizar acompanhar políticas de prevenção, diversificar fontes, a ter atenção para identificar novas modalidades de tráfico.

Por se tratar de um fenômeno clandestino e de difícil mensuração, a publicação sugere cuidado com números e estatísticas, e com os mitos e estereótipos que ainda são comuns e mais atrapalham do que ajudam no entendimento sobre o tema.

Por se tratar de um fenômeno clandestino e de difícil mensuração, a publicação sugere cuidado com números e estatísticas, e com os mitos e estereótipos que ainda são comuns e mais atrapalham do que ajudam no entendimento sobre o tema. Mais do que reforçar a ideia de que o tráfico hoje se limita a redes criminosas internacionais e atinge apenas mulheres, a publicação propõe uma abordagem integral, e destaca que não existe um perfil único de vítimas; em tese, qualquer pessoa pode ser traficada. Ao aprofundar a questão é preciso sensibilidade com vítimas, que não devem ser tratadas como coitadas, inocentes, ignorantes, mas como sujeitos de direitos que merecem respeito. Também vale cuidado redobrado em casos que envolvem crianças e adolescentes, e estar atento a termos inadequados (o guia traz diversos exemplos). Outras recomendações são ter a perspectiva de gênero e lembrar que diferenças sexuais são produtoras de desigualdades sociais; entender migração como um direito humano; e considerar que a prostituição não é crime no Brasil. Há análises específicas sobre cada um desses pontos na reportagem.

Os trabalhos de pesquisa foram encabeçados pelas jornalistas Raiana Ribeiro e Fernanda Sucupira, com edição de Leonardo Sakamoto, Daniel Santini e Igor Ojeda. A diagramação é de Gustavo Monteiro. Participaram do evento de lançamento Carlos Bezerra Jr, deputado estadual, criador da Lei Paulista de Combate ao Trabalho Escravo; Fernanda dos Anjos, diretora de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça; José Guerra, secretário executivo da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo; Juliana Armede, da Comissão Estadual pela Erradicação do Trabalho Escravo de São Paulo (Coetrae-SP) e do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico Humano do Estado de São Paulo; Larissa Beltramim, secretária-executiva da Secretaria Municipal de Direitos Humanos; Leonardo Sakamoto, coordenador da Repórter Brasil; Luiz Machado, coordenador do projeto de combate ao trabalho escravo da Organização Internacional do Trabalho- OIT; Maurício Hashizume, jornalista, membro da Repórter Brasil; Gilberto Duarte, oficial de campanhas da UNODC; Renato Bignami, membro do programa de erradicação do trabalho escravo da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em São Paulo; e Roque Pattussi, coordenador do Centro de Apoio ao Migrante.

Clique nas imagens para baixar a versão digital em PDF das publicações apresentadas:

pesquisatráficoguiatráfico

Acesse também:
Versão digital de outras publicações da Repórter Brasil
Reportagens e artigos sobre tráfico de pessoas


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

1 Comment

  1. Sou professor na graduação em segurança – Faculdade Pastor DOHMS, Porto Alegre/RS. Gostaria de poder adquirir mais informações sobre esta temática “Tráfico Internacional de Seres Humanos”. Minha especialização na UFRGS foi com ênfase em: Violência, Crime, Policias e Cidadania, detalhes que motivaram a produção de dois livros: INSEGURANÇA PÚBLICA – 2011 e “SEGURANÇA PRIVADA – RISCOS E DESAFIOS” 2013. Ambos pela Editora Imprensa Livre. Atualmente escrevo o terceiro que apresenta o tema em tela ( Tráfico de Pessoas entre outros). Grato pela atenção.
    Cordialmente. Enor Almeida.

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Baixe publicações sobre tráfico de pessoas da Repórter Brasil » Repórter Brasil - […] Repórter Brasil apresentou nesta sexta-feira, dia 11 de abril, duas publicações sobre tráfico de pessoas: a pesquisa “Tráfico de…
  2. Relatório e guia sobre tráfico de pessoas são lançados em São Paulo | Olá! Como Vai - […] Relatório e guia sobre tráfico de pessoas são lançados em São Paulo […]
  3. Relatório e guia sobre tráfico de pessoas são lançados em São Paulo | - […] Acesse outras publicações da organização aqui […]
  4. Todos contra o tráfico de pessoas – Semana de mobilização contra o tráfico de pessoas começa nesta segunda-feira - […] na cobertura da imprensa brasileira, como aponta relatório apresentado pela Repórter Brasil em abril deste ano. Na ocasião, a organização apresentou também um guia com…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *