A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Sonhos e decepções de um imigrante haitiano no Brasil

Vindo de Porto Príncipe, capital do Haiti, para trabalhar no Brasil, Benjamin [nome fictício] é colaborador do setor de manutenção de um importante hotel na região da avenida Paulista, na cidade de São Paulo.

Arte: Eugênia Pessoa Hanitzsch

Nascido em Porto Príncipe, capital do Haiti, Benjamin [nome fictício] tem 21 anos e trabalha em uma tradicional rede de hotéis na região da avenida Paulista, em São Paulo. Seu ingresso no setor se deu por meio de um curso da YCI (Youth Career Iniciation), que direciona vários alunos para hotéis da cidade. “São nove horas de curso por dia, tanto da área prática quanto teoria, tem inglês também”, conta ele. Para fazer o curso, o aluno conta com apoio para as refeições e vale transporte. “Ao final, perguntam de qual departamento do hotel você mais gostou, e você assinala as três áreas que gostou mais. Eu assinalei room service, manutenção e eventos. O hotel só tinha vaga em manutenção, e fui efetivado”, explica.

Do total do grupo em que Benjamin estudou, havia seis pessoas, duas desistiram do curso, duas foram efetivadas e duas não. A outra pessoa efetivada foi para a cozinha, área que não agradava muito a Benjamin. Ele conta que era o único estrangeiro da turma, e que “estava procurando cursos para fazer, fiquei sabendo a respeito na área da República, e uma moça me encaminhou para esse”. Benjamin morou um tempo no centro da capital paulista, e depois mudou-se para a Zona Leste. Entre seus sonhos, “pensava em fazer faculdade de engenharia, mas agora estou mudando de ideia, pensando em fazer Relações Internacionais”.

Com a crise, a situação ficou muito difícil e pessoas que eram legais ficaram mais agressivas aqui

Enquanto a oportunidade de fazer uma faculdade não chega, Benjamin investe no seu novo trabalho. “A gente quer ser promovido, tem que se esforçar. Tem o funcionário do mês, pode ganhar um dinheiro a mais, ou algum presente”. Ele entra às 7h da manhã e sai às 15h, com uma hora de almoço. Na rotina desenvolvida ao longo dos oito primeiros meses no trabalho, faz diversas coisas. “Atendo chamadas dos hóspedes, algumas por meio do aplicativo do hotel, troco lâmpadas, olho as máquina de ar condicionado… Faço essas coisas no hotel todo”. Entre as tarefas de que mais gosta, Benjamin destaca a parte de eletrônica. “Cuido dessa questão em toda a área pública, elevadores, escadas, banheiros”.

Leia mais:
O que hotéis não contarão a seus hóspedes neste verão
Um grave acidente. E tudo seguiu como antes
Sonhos e decepções de um imigrante haitiano no Brasil
Sindicato dos trabalhadores aposta em ações judiciais contra hotéis

No turno da madrugada, normalmente a área da manutenção conta com duas pessoas. Mas, atualmente, devido à crise, somente um funcionário cuida dessa manutenção. No turno da noite, são quatro ou cinco pessoas. E na manhã e tarde a equipe possui cinco integrantes.

Quando o hotel está lotado, o trabalho da equipe consiste fundamentalmente em atender as chamadas dos clientes. Mas, quando o estabelecimento está mais vazio, a equipe de Benjamin até trabalha mais, pois tem que fazer toda a manutenção preventiva. “Nossa manutenção ajuda também o hotel a ganhar certificados. Antes, por exemplo, gastavam-se 20 litros por minuto no banho. Agora, gastam-se 11 litros, após a troca de equipamentos”, comemora.

Crise e mudanças

Benjamin trabalha com a carteira assinada, “mas sabemos que agora, com a crise, o hotel está com menos ocupação. Tem menos trabalho também, sabemos que está bem crítico”. Recebe um salário mínimo, e ele gasta o que ganha. “Ajudo minha mãe e minha irmã, moramos nós e um primo também”.

Sobre a relação com os hóspedes, Benjamin conta que “alguns são mais arrogantes, mas você tem que saber que é assim mesmo, que basta tratar como cliente”. Por outro lado, um integrante da equipe de manutenção “tem comportamento xenofóbico, contra estrangeiros no geral, contra os haitianos em específico”, lamenta. Benjamin afirma que “poderia acionar o RH [Recursos Humanos] por isso, tem um código de ética que me permitiria questionar a atitude dele, mas fico de boa, prefiro não entrar nessa situação”, pondera.

O cotidiano de Benjamin em São Paulo é emblemático. De suas origens, mas também da vida de muitas outras pessoas de histórias tão distintas quanto semelhantes às dele. “Saio muito pouco. Só vou para a igreja à noite. Ou saio com minha mãe e minha irmã”. A explicação, infelizmente, é óbvia: “Se você é negro e está andando à noite, acham que isso é sinônimo de drogas. Já fui abordado com arma na cabeça três vezes”.

Sobre os tempos atuais do Brasil, e as possíveis semelhanças com o que vivia no Haiti, Benjamin conta que “com a crise, a situação ficou muito difícil e pessoas que eram legais ficaram mais agressivas aqui”. A mãe dele era militante e teve que sair do país e ir para a República Dominicana como exilada, onde ficou por cerca de dez anos. “Ela já morava lá quando teve o terremoto em nosso país, em 2010. Eu morava em Porto Príncipe. Queria continuar morando no Haiti. E estou estudando essa possibilidade. É o meu país”.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *