Tag: Organização Internacional do Trabalho

Em ação contra o tráfico de pessoas, organizações oferecem ‘presentes’ a transeuntes

“Veja o mundo e ganhe um bom dinheiro”. Assim começa a promessa de gordas recompensas, enquanto se assume o risco de embarcar sozinho ao exterior e aceitar duvidáveis propostas de trabalho feitas por estranhos, e que é também um dos principais artifícios para o aliciamento de vítimas ao tráfico internacional de pessoas e à escravidão contemporânea. Da mesma forma que a oportunidade parece cair no colo, em um lance de aparente boa sorte, grandes instalações em forma de caixa de presente simulam o processo de aliciamento de seres humanos em mais de cinco localidades ao longo do Rio de Janeiro (RJ) e do município de Duque de Caxias (RJ) desde a última segunda-feira (dia 15). São instalações que, a princípio, podem destoar da imagem comum de quem circula pelos locais onde estão as caixas de presentes, mas na verdade fazem parte de uma campanha de conscientização sobre o tráfico internacional de pessoas, prática que afeta milhões de homens e mulheres no mundo inteiro — pelo menos 20,9 milhões de vítimas, segundo os dados mais recentes da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Trata-se de uma iniciativa do Movimento GIFT box, criado originalmente no Reino Unido pela ONG Stop The Traffik, durante as Olimpíadas de Londres em 2012. O objetivo é fortalecer o enfrentamento ao tráfico de pessoas e a erradicação do trabalho escravo contemporâneo, enquanto a campanha ocorre concomitante à realização de grandes eventos. No Rio de Janeiro, a primeira edição do projeto aconteceu no período da Copa das Confederações; agora a capital fluminense recebe uma nova edição devido à Jornada Mundial da Juventude. No Brasil, o projeto GIFT box...

OIT divulga relatório sobre situação do trabalho no mundo

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou nesta segunda-feira (3) relatório sobre a situação do trabalho no mundo. O documento aponta evolução das taxas de emprego em países emergentes e, ao mesmo tempo, problemas em países ricos. O Brasil é citado como um exemplo de que investimento produtivo, salários mínimos e proteção social podem fortalecer o crescimento da economia. “O salário mínimo forte e o Bolsa Família, estão entre as medidas consideradas mais importantes para explicar a redução da pobreza, que deu combustível para o motor da economia do país”, afirma o texto. Medidas de austeridade fiscal e cortes em programa sociais preocupam, em especial na Europa. “A situação em alguns países europeus, em particular, está começando a forçar o seu tecido econômico e social. Precisamos de uma recuperação global focada em empregos e investimentos produtivos, combinada com uma melhor proteção social para os grupos mais pobres e vulneráveis. E precisamos prestar muita atenção para reduzir a desigualdade que está aumentando em muitas partes do mundo”, avalia o diretor Geral da OIT, Guy Ryder, em informe a imprensa. Clique aqui para baixar uma versão digital do documento em inglês (arquivo tipo...

Desemprego em 2013 pode ser o menor das últimas décadas na América Latina, diz ONU

A taxa média do desemprego urbano regional deve se manter em uma das faixas mais baixas das últimas décadas — entre 6,2% e 6,4% — em 2013, de acordo com relatório publicado na última terça-feira (21) pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) em conjunto com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), órgãos ligados à Organização das Nações Unidas (ONU). No estudo “Conjuntura Laboral na América Latina e Caribe” (disponível em espanhol para download), as instituições apontam que o crescimento econômico esperado para a região neste ano, em torno de 3,5%, seria o responsável pela tendência na diminuição da quantidade de pessoas sem serviço. Segundo o relatório, os indicadores de 2013 ainda podem superar 2012, ano em que o desemprego ficou na faixa de 6,4%, até o momento o indicador mais baixo das últimas décadas, e também de 2011, com 6,7%. As entidades defendem que, dada a atual situação trabalhista no mundo, as cifras são consideradas “positivas”. “Um otimismo cauteloso prevalece a respeito da evolução dos mercados laborais da região em 2013. Se for cumprida a projeção de crescimento econômico, os indicadores laborais continuariam melhorando gradativamente, com novos aumentos dos salários reais”, defendem Alicia Bárcena, secretária-executiva da Cepal, e Elizabeth Tinoco, diretora-regional do Escritório da OIT, no prólogo da publicação. As organizações, por outro lado, alertam para a existência de cerca de 15 milhões de pessoas que permanecem sem ocupação e à procura de serviço na região. Conforme o estudo, o desempenho geral da América Latina na geração de empregos foi heterogêneo. De um total 14 países analisados, seis registram diminuição na taxa de desemprego, cinco...