A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Confecção de roupas infantis flagrada explorando escravos tinha certificação

Hippychick, empresa que terceirizou produção para oficina onde cinco bolivianos foram libertados, tinha selo de responsabilidade social da indústria têxtil

A Hippychick Moda Infantil, confecção de roupas infantis que, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), terceirizava sua produção para uma oficina de costura flagrada explorando trabalho escravo, tinha desde outubro de 2012 o selo da Associação Brasileira do Vestuário Têxtil (ABVTEX) de responsabilidade social. Após a libertação de cinco trabalhadores bolivianos, a entidade representante da indústria do setor cancelou a certificação e o selo foi retirado da página da confecção na internet.

Página da Hippychick com selo da Abvtex, que foi retirado após a denúncia de escravidão. Imagem: Reprodução

Página da Hippychick com selo da Abvtex, que foi retirado após a denúncia. Imagem: Reprodução

“A ABVTEX informa que, a partir das denúncias, a empresa [Hippychick] teve suspensa a Certificação de Fornecedores. A certificação foi obtida em outubro de 2012, após auditoria realizada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas. A confecção não é fornecedora das redes signatárias e à época da auditoria não havia registro de subcontratados no seu processo produtivo”, afirmou à Repórter Brasil a ABVTEX, por meio de sua assessoria de imprensa.

De acordo com a entidade, todas as empresas que tenham o selo passam por uma auditoria de manutenção da certificação após um ano. No caso da Hippychick, a suspensão, portanto, teria ocorrido antes do prazo. Segundo o site da ABVTEX, o programa, criado no início de 2011, “tem o objetivo de mapear a cadeia de fornecedoras e, caso seja necessário, capacitá-los em boas práticas de responsabilidade social”.

Lojas Americanas
O Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério Público do Trabalho, que também participou da operação de libertação dos trabalhadores, investigam a responsabilidade das Lojas Americanas na exploração do trabalho escravo. Segundo o MPT, a suspeita é de que as peças produzidas pela oficina terceirizada eram revendidas exclusivamente nas Lojas Americanas com a marca “Basic+ Kids”, o que pode fazer que a rede varejista seja considerada responsável pela situação a que os trabalhadores estavam submetidos.

“O Ministério Público do Trabalho busca sempre a responsabilização daqueles que estão à frente do empreendimento, os reais beneficiários do processo produtivo. Não é interessante identificar apenas os intermediários, mas todo o segmento da cadeia produtiva”,  afirmou, em comunicado divulgado pelo MPT, o procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo. Em nota, as Lojas Americanas disseram que repudiam qualquer tipo de trabalho realizado em condições degradantes e que estão apurando o ocorrido. A empresa informou, ainda, que cancelou as relações comerciais com a fornecedora.

Condições degradantes

O flagrante aconteceu em 22 de janeiro em uma oficina de costura de Americana (SP) que fornecia peças de roupas infantis à Hippychick, com sede na vizinha Santa Bárbara d’Oeste. A pequena oficina, que recebia R$ 2,80 por cada peça produzida para a Hippychick, havia sido montada de forma clandestina nos fundos do quintal de uma área residencial da periferia de Americana. O proprietário mantinha parentes trabalhando sob condições notadamente insalubres. O calor era intenso, por causa das telhas de amianto, o pé direito baixo e as laterais fechadas – o que impedia a circulação de ar. As pilhas de tecido espalhadas pelo espaço, além de dificultarem a circulação dos trabalhadores, aumentavam o risco de incêndio, por estarem próximas a “gambiarras” elétricas – o local não possuía extintores e saídas de emergência.

Nenhum funcionário tinha registro em carteira e a jornada de trabalho era de 12 horas diárias. No momento em que a fiscalização foi realizada, foram encontradas quatro crianças – sendo uma delas recém-nascida – dividindo o espaço com os pais. As duas casas em que os trabalhadores moravam estavam com a estrutura comprometida e apresentavam precárias condições de higiene.

 

A Hippychick afirmou, também em nota, que contratou os serviços da oficina de forma “pontual”, por causa do aumento da demanda de produção em dezembro do ano passado. De acordo com a empresa, a maioria das peças é confeccionada por empregados próprios e a terceirização foi feita para a confecção de 680 itens. Ainda segundo a nota, a nova diretoria da Hippychick, que assumiu a direção em setembro de 2012, não teve acesso ao interior da oficina nem a seus funcionários e “não mantém nem patrocina nenhum tipo de trabalho de forma ilegal”.

Em 2011, no entanto, a Polícia Federal já havia identificado a situação irregular de seis bolivianos na mesma oficina. Em 2012, o MPT de Campinas iniciou um procedimento contra a Hippychick, que a havia contratado para produzir peças revendidas às Lojas Americanas. A relação entre contratante e contratada foi cortada, mas posteriormente retomada.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

7 Comments

  1. À custa da desgraça alheia que estas grandes cadeias teem lucros fabulosos!!!!!!!! nunca mais muda, quem se lixa é sempre o mexilhão!

    Reply
  2. o que fazer? não a certificação que dê conta quando a pessoa insiste em fazer a outro ser humano aquilo que não gostaria que fizessem para si !

    Reply
  3. Verdadeiro Canalha
    Bezerra da Silva

    Canalha, tu é um verdadeiro canalha…
    Canalha, tu é um verdadeiro canalha.
    Você vive de trambique,
    Deita na sopa
    E se atrapalha,
    Olha aí, seu canalha..

    Reply
  4. Precisamos de leis mais dura contra o trabalho escravo, deveria ser crime hediondo principalmente quando envolve marcas e empresas famosas e multinacionais.

    Enquanto não estiver donos e diretores destas empresas na cadeia cumprindo pena de no minimo 30 anos em regime fechado não vai acabar a escravidão no Brasil.

    Reply
  5. Sou empresario e presto serviços a fonecedores q exigem a certificação ABVTEX.
    Sofri e penei pra deixar minha empresa redonda e com certificação da ABVTEX, gastei mt com laudos e mais laudos, vistorias e mais vistorias, renovei td nossa parte eletrica, funcionarios tds uniformizados e 100% certinhos,enfim investi mt para conseguir esse bendito certificado, mas mesmo assim concorro o preço final com fundo de quintais q conseguem reduzir pela metade os valores cotados q nem sequer possuem empresas abertas e trabalhadores sem minimo registro. Não é pra ser dedo duro não mas
    Olha tem a rede RESTOQUE donos das Marcas JOHN JOHN, BOBO, Le Lis Blanc entre outros com dezenas de lojas espalhadas pelo Brasil com fornecedores sem empresas abertas, trabaladores fazendo mt hrs extras e sem registros ganhando pouco no interior de SP, pior q são meus concorrentes, hj eu com pouco serviço e eles abarrotados.

    Reply
  6. Boa noite,alguém pode me informar nomes ou fone de grandes fornecedores para magazine de vestuário,tenho estamparia com abvtex e quero oferecer meus serviços,obrigado

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Confecção flagrada utilizando mão de obra escrava tinha certificação « MUNDO CÃO - [...] Igor Ojeda, na Repórter Brasil [...]
  2. Especial: flagrantes de trabalho escravo na indústria têxtil no Brasil » Repórter Brasil - [...] Caso Hippychick — Janeiro 2013 [...]
  3. Fiscais flagram escravidão envolvendo grupo que representa a GAP no Brasil » Repórter Brasil - [...] A GEP é uma das empresas signatárias da Associação Brasileira do Varejo Têxtil e foi certificada pelo Programa de Qualificação de Fornecedores para…
  4. Combate ao Racismo Ambiental » Fiscais flagram escravidão envolvendo grupo que representa a GAP no Brasil - [...] A GEP é uma das empresas signatárias da Associação Brasileira do Varejo Têxtil e foi certificada pelo Programa de Qualificação de Fornecedores para o…
  5. Após flagrante em fornecedor, Lojas Americanas se comprometem a fiscalizar cadeia produtiva » Repórter Brasil - […] peças da grife “Basic+Chic”, pertencente às Lojas Americanas. Na época, conforme noticiado pela Repórter Brasil, o Ministério Público do…
  6. Após flagrante de trabalho escravo em fornecedor, Lojas Americanas se comprometem a fiscalizar cadeia produtiva | Biblioteca do MPT/RN - […] peças da grife “Basic+Chic”, pertencente às Lojas Americanas. Na época, conforme noticiado pela Repórter Brasil, o Ministério Público do…
  7. Justiça determina bloqueio de R$ 1 mi de dona da M.Officer por caso de trabalho análogo ao de escravo » Repórter Brasil - […] Leia também: Confecção de roupas infantis flagrada explorando escravos tinha certificação […]
  8. Justiça determina bloqueio de R$ 1 mi de dona da M.Officer por caso de trabalho análogo ao de escravo | Áfricas - Notícia minuto a minuto - […] Leia também:Confecção de roupas infantis flagrada explorando escravos tinha certificaç&atil… […]
  9. Justiça determina bloqueio de R$ 1 mi de dona da M.Officer por caso de trabalho análogo ao de escravo - […] também: Confecção de roupas infantis flagrada explorando escravos tinha certificação Especial: flagrantes de trabalho escravo na indústria têxtil no…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *