A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Com nova atualização, App Moda Livre monitora 45 marcas e varejistas de roupa

Grifes importantes são inseridas na base de dados do aplicativo que avalia as medidas que as principais empresas do setor adotam contra o trabalho escravo

iphone1Já está no ar a mais recente atualização do aplicativo Moda Livre. Disponível gratuitamente para Android e iPhone, o APP apresenta de forma ágil e acessível as medidas que as principais marcas e varejistas de roupa do país vêm tomando para evitar que as peças vendidas a seus clientes sejam produzidas por trabalho escravo. Lançado em dezembro de 2013, o app foi desenvolvido pela ONG Repórter Brasil, referência nacional na defesa dos direitos humanos.

Nesta nova atualização, a base de empresas avaliada pelo Moda Livre foi ampliada para incluir mais nomes consagrados no mercado nacional da moda. É o caso das holdings Inbrands – que controla grifes refinadas como Ellus, Richards, Mandi e Bobstore – e do grupo AMC Têxtil, responsável por marcas conhecidas do público brasileiro, como Forum, Colcci e Triton.

Outra companhia detentora de marcas valiosas (como Siberian, Crawford e Memove), a Valdac Global Brands também integra o hall de companhias analisadas pela equipe da Repórter Brasil. Há também varejistas presentes de norte a sul do Brasil, como as Lojas Americanas, e fabricantes de roupas bastante tradicionais no mercado nacional – como Malwee e Marisol.

Moda e trabalho escravo
O Moda Livre avalia os principais grupos varejistas de moda em atividade no país, além das empresas em que a produção de roupa foi marcada por casos de trabalho escravo flagrados por fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A Repórter Brasil convidou todas as companhias a responder a um questionário-padrão que avalia basicamente quatro indicadores:

1. Políticas: compromissos assumidos pelas empresas para combater o trabalho escravo em sua cadeia de fornecimento.

2. Monitoramento: medidas adotadas pelas empresas para fiscalizar seus fornecedores de roupa.

3. Transparência: ações tomadas pelas empresas para comunicar a seus clientes o que vêm fazendo para monitorar fornecedores e combater o trabalho escravo.

4. Histórico: resumo do envolvimento das empresas em casos de trabalho escravo, segundo o governo.

android2Sinal vermelho
As respostas geram uma pontuação e, com base nela, as empresas são classificadas em três categorias de cores: verde, amarelo e vermelho. Aquelas que não responderam ao questionário, apesar dos insistentes convites, foram automaticamente incluídas na categoria vermelha.

O aplicativo não recomenda que o consumidor compre ou deixe de comprar roupas de determinada marca. Apenas fornece informações para que faça a escolha de forma consciente.

O App está disponível na loja da Apple e no Google Play e roda nos sistemas operacionais iOs 5+ e Android 4+. Pode ser encontrado com os termos de busca “moda livre” e “moda livre repórter brasil” ou através dos links na Apple Store e no Google Play.

 

Leia também:
Aplicativo de compra consciente de roupas para Android e iPhone é lançado no Brasil
Especial: flagrantes de trabalho escravo na indústria têxtil no Brasil

 


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

6 Comments

  1. Gostaria de me atualizar no caso Zara. Eles continuam questionando o cadastro?
    Se bem me lembro, se recusaram a assinar um termo reconhecendo a responsabilidade por aqueles trabalhadores. Mudaram de atitude? Aceitaram e implementaram mecanismos de combate ao trabalho escravo na cadeia de produção deles?
    Gostaria de pedir a inclusão de algumas grandes marcas de luxo do Rio de Janeiro como Farm, Eclectic e XSite.
    Há alguma maneira em que eu possa ajudar a encaminhar esses questionários?

    Reply
  2. Boa noite!! Parabéns pela iniciativa!!! Gosto bastante e acompanho o trabalho fundamental que fazem. Seria importante parcerizar com algumas pessoas públicas (artistas, atletas por exemplo) no intuito de divular mais o aplicativo. Outra dúvida/sugestão ocorre a respeito dos produtos de maquiagem, estética, beleza. Gostaria de saber se a cadeia produtiva deste mercado viola direitos trabalhistas ou do meio ambiente. Outra pergunta é se há alguma matéria ou documentário sobre o que as empresas brasileiras produzem na China.
    Abraços

    Reply
  3. Há uma questão séria nisto. A função e o poder de fiscalizar é do Estado. Mais uma vez estão jogando nas costas da iniciativa privada uma obrigação do Estado. Estenda esse raciocínio e por ex, a empresa A terá que verificar se os empregados da empresa B contratada recolhe corretamente o FGTS dos seus empregados. No trabalho escravo , a empresa B contratada pode inclusive ludibriar a A contratante. Repito, não só a função como o poder de fiscalizar é do Estado. Estenda o raciocínio um pouco mais e verá que se vc comprar em uma loja do shopping que não recolhe o INSS do vendedor, vc comprador será criminoso compactuante.

    Reply
  4. O aplicativo não abre no celular.

    Reply
  5. baixei o aplicativo agora e nao esta funcionando 🙁

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. APP traz informações sobre trabalho escravo na moda | Mundo Sustentável - […] Fonte: Repórter Brasil […]
  2. App identifica trabalho escravo na moda | Blog Moda Verde - […] sejam produzidas por trabalho escravo. Lançado em dezembro de 2013, o app foi desenvolvido pela ONG Repórter Brasil, referência…
  3. Busque Conhecimento | Lugar Comum - […] um aplicativo chamado Moda Livre que ajuda a gente a conhecer melhor as marcas e monitorar se elas agem…
  4. Descubra agora quantos escravos trabalham pra você | SOS Solteiros - […] ONG Repórter Brasil, por exemplo, produziu recentemente o Moda Livre, app gratuito em que marcas de roupa são avaliadas…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *