Tag: Desmatamento

Resposta do grupo Santa Bárbara

A AgroSB não possui embargo em seu nome no Conjunto Vale Sereno, que se encontra regular e licenciado. O Conjunto Vale Sereno tem uma extensão total de 83 mil hectares, o que significa que ainda que se considere o entendimento do IBAMA, há área de sobra para criação de gado. É preciso destacar que a Vale Sereno, localizada a 280 km de distância de Redenção, cidade mais próxima, emprega 187 funcionários – que lá residem, muitos com suas famílias – e mantém uma escola dentro da fazenda com 59 alunos. Por questões de logística, a Agro Santa Bárbara concentra a saída do gado por fazendas específicas porque agrega sinergia a departamentos internos e propicia ganhos nas etapas de recria e engorda do gado. Essa sistemática operacional não infringe qualquer disposição legal. Resposta à matéria: “JBS compra gado de áreas desmatadas ilegalmente e leva multa de R$24...

Resposta da Plena Alimentos

COMUNICADO À IMPRENSA A Plena Alimentos vem a público esclarecer as informações veiculadas no noticiário referentes à Operação “Carne Fria”, deflagrada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e pelo Ministério Público do Pará, no dia 21 de março, em Tocantins. A Plena segue normas nacionais e internacionais de segurança alimentar e realiza uma rigorosa seleção de seus fornecedores a fim de garantir produtos de excelente qualidade e de ótima procedência. Todo o processo de compra de gado é feito mediante consulta prévia no site do IBAMA sobre a situação do fornecedor para emissão da Certidão Negativa de Embargo pelo órgão, que reconhece a idoneidade do pecuarista, por meio do termo “NADA CONSTA” na lista de embargos do IBAMA. Portanto, a notificação do IBAMA, na Planta de Paraíso do Tocantins, é improcedente uma vez que, antes da aquisição do gado do pecuarista, a Plena obtém no site do próprio IBAMA a Certidão Negativa de Embargo. Isso demonstra que, no momento da compra, não existia nenhuma irregularidade na situação do fornecedor para a aquisição dos animais, estando em conformidade com todos os critérios legais e socioambientais e que a criação do gado não era em área de desmatamento ilegal. A Plena reitera que cumpre integralmente o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado com o Ministério Público Federal, que prevê a não aquisição de gado proveniente de área de desmatamento e de mão de obra escrava. As informações de movimentação dos animais entre fazendas são registradas na Guia de Trânsito Animal (GTA) de responsabilidade dos órgãos governamentais. É fundamental destacar que em momento algum a...

Resposta da Mafripar, controladora da Mercúrio

“Tivemos hoje uma auditoria surpresa do MAPA nessa unidade, no qual fomos aprovados sem nenhuma restrição. No mesmo dia, ocorreu também uma auditoria do IBAMA, mas o frigorífico não foi embargado e continua com seus abates normalmente. O IBAMA somente nos solicitou algumas documentações de fornecedores específicos e deveremos encaminhar a eles as devidas explicações nos próximos dias.” Resposta à matéria: “JBS compra gado de áreas desmatadas ilegalmente e leva multa de R$24...

JBS compra gado de áreas desmatadas ilegalmente e leva multa de R$24 milhões

A JBS, maior produtora de proteína animal do mundo e dona das marcas Friboi, Seara e Swift, comprou gado criado em fazendas onde ocorreu desmatamento ilegal no sul do Pará.  A prática é considerada crime ambiental e revela um esquema de manipulação dos documentos que certificam a origem do boi. O caso foi descoberto pela operação Carne Fria, deflagrada pelo Ibama nesta semana e que investigou 15 frigoríficos e 20 fazendas que comercializaram boi criado em áreas embargadas (onde qualquer atividade econômica élegalmente proibida).  Segundo o Ibama, essa investigação não tem relação com a operação Carne Fraca, deflagrada na semana passada pela Polícia Federal. Entre os compradores, estavam dois frigoríficos da JBS, um em Redenção e outro em Santana do Araguaia. Nas duas unidades, a empresa adquiriu 49.468 cabeças de gado e foi multada em R$ 24,7 milhões pela prática. No total, o Ibama notificou 11 frigoríficos no Pará, 3 no Tocantins e 1 na Bahia, entre eles o Cooperfrigo, Plena, Xinguara, Mercúrio e Rio Maria. Entre as fazendas, está a fazenda Café Paraíso do grupo Santa Bárbara, ligado ao Opportunity do banqueiro Daniel Dantas. Procurada pela reportagem, o grupo que comanda as fazendas respondeu que não há embargo em seu nome no Conjunto Vale Sereno, que englobaria a área em questão. “O Conjunto Vale Sereno tem uma extensão total de 83 mil hectares, o que significa que ainda que se considere o entendimento do IBAMA, há área de sobra para criação de gado”, afirma a nota (leia a resposta completa do grupo Santa Bárbara). Os frigoríficos estão impedidos pelo Ibama de comprar e abater carne até que mostrem ao instituto novas...

Resposta do frigorífico Xinguara

“O Frigorifico Xinguara esclarece aos seus clientes, consumidores e parceiros que não adquiriu gado oriundo de Fazendas embargadas e que cumpre regularmente as determinações ambientais relativas à fiscalização dos seus fornecedores de gado. O respeito aos nossos clientes, consumidores e parceiros nos motiva a investir com seriedade e responsabilidade nos mais rígidos critérios de boas práticas de produção e de segurança alimentar em todas as etapas da cadeia da produção e comercialização de carnes. Informa ainda que está apresentando toda a documentação comprobatória da regularidade de sua atividade e que está à disposição da fiscalização para contribuir com as investigações.” Resposta à matéria: “JBS compra gado de áreas desmatadas ilegalmente e leva multa de R$24...