Tag: Meio Ambiente

Animais ainda desconhecidos e espécies únicas serão colocados em risco por usinas do Tapajós

Animais ainda desconhecidos e espécies únicas serão colocados em risco por usinas do Tapajós

Ao menos oito espécies de mamíferos nunca catalogadas pela ciência foram descobertas durante os estudos de impacto da usina de São Luiz do Tapajós. Ironicamente, ao mesmo tempo em que essas “novas” espécies são apresentadas ao mundo, elas podem entrar na lista de animais em risco. Isso por que o ambiente onde esses animais vivem será profundamente transformado pelas obras da hidrelétrica, o que é especialmente grave considerando que algumas dessas espécies existem apenas no Tapajós. Entre elas está uma nova espécie de macaco semelhante ao macaco barrigudo (do gêneroPithecia), um marsupial parecido com a cuíca cauda-de-rato (do gênero Metachirus) e novas espécies de roedores e morcegos. Além dos novos mamíferos, a usina deve colocar em risco ainda aves em extinção como ararajuba (Aratinga guarouba), a arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus) e pássaros que comprovadamente só existem no Tapajós. No dia 19 de abril, o licenciamento ambiental do empreendimento foi oficialmente suspenso pelo Ibama, órgão do governo federal. Na prática, o processo estava paralisado desde dezembro de 2014, já que nenhuma das dúvidas levantadas pelos técnicos do Ibama havia sido respondida após a conclusão da primeira versão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O documento tem mais de 15 mil páginas e foi realizado pelo consórcio de empresas interessadas na concessão da hidrelétrica. O grupo é liderado pela estatal Eletrobras e conta com as brasileiras Eletronorte, Copel, Endesa Brasil, Camargo Correa, Cemig, e Neoenergia, além das empresas francesas EDF e GDF Suez. A crise política e econômica, que colocou em xeque obras públicas tocadas por grandes empreiteiras envolvidas na operação Lava Jato, também contribuiu para esvaziar o licenciamento ambiental da hidrelétrica....
25 anos sem Chico Mendes e a realidade dos trabalhadores de Xapuri

25 anos sem Chico Mendes e a realidade dos trabalhadores de Xapuri

Xapuri (AC) – 25 anos se passaram da morte de Chico Mendes e seus sonhos não foram realizados. As falácias divulgadas em meio às homenagens para lembrar seu assassinato não condizem com a realidade da maioria dos trabalhadores pelos quais ele deu a vida. Primeiro, a Reserva Extrativista (Resex) que ajudou a idealizar com o objetivo de garantir a sobrevivência e bem-estar dos povos que nela habitam tornou-se um pesadelo. Praticamente tudo é controlado e proibido por uma instituição que, infelizmente, leva seu nome, o Instituto Chico Mendes (ICMBio). Até o momento, seus integrantes não fizeram outra coisa a não ser coibir atividades que sempre foram praticadas e nunca causaram nenhuma alteração ao meio. Não dá para negar que muitos moradores da Resex desenvolvem pecuária e outras atividades consideradas ilegais, haja vista que o extrativismo entrou em declínio nos anos 1970, e em falência quase absoluta a partir da década de 90. E que, até o momento, os governantes não apresentaram alternativas de geração de renda que superem essas citadas. Nunca esqueço que em 15 de janeiro de 2009, início das festas do padroeiro da cidade, dois seringueiros me procuraram na sede do sindicato para lamentar o desencanto com o extrativismo da seringa. Eles contaram que tinham se esforçado para produzir 300 kg de borracha, que tinham rodado toda a cidade e que não encontraram comprador para a mesma. Um deles lamentou: “o pior é que eu trouxe essa borracha pagando frete. Como não vendi, vou voltar para casa e vender três bezerros que eu tenho para pagar o homem. O que sobrar de dinheiro vou dar para a mulher vir comprar...

Vale é condenada em R$ 18,9 milhões pela Justiça do Trabalho

Uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho no Maranhão (MPT-MA) resultou na condenação da mineradora Vale em R$ 18,9 milhões por dano moral coletivo. A empresa desrespeitou diversas normas de meio ambiente e segurança do trabalho, o que culminou com a morte de cinco funcionários na capital maranhense. O valor do dano moral coletivo corresponde a 0,05% do lucro líquido obtido pela Vale em 2011 – R$ 37,8 bilhões. Além desse montante, a Vale poderá pagar multa diária de R$ 200 mil (até o limite de R$ 20 milhões), caso não cumpra 31 obrigações de fazer no prazo de 60 dias. A medida visa garantir a integridade física dos trabalhadores da mineradora e das prestadoras de serviços. “Essa condenação deve servir de caráter pedagógico para que outras empresas não negligenciem o cumprimento das normas. Algumas das irregularidades contribuíram para que ocorressem os acidentes fatais na área da Vale”, lembrou a procuradora-chefe do MPT-MA, Anya Gadelha Diógenes. No Maranhão, o MPT investiga a Vale desde 2007. Ao longo desse período, a instituição abriu seis inquéritos civis para apurar denúncias graves de negligência às normas de saúde, meio ambiente e segurança do trabalho. Um dos piores episódios protagonizados pela Vale ocorreu em abril de 2010, quando sete trabalhadores que prestavam serviço no Píer 3 do terminal portuário da Ponta da Madeira, em São Luís, foram atingidos por uma calha do transportador de minério. Dois deles morreram por esmagamento craniano e asfixia (Hercules Nogueria da Cruz e Ronilson da Silva) e os outros cinco sofreram lesões. As outras três vítimas fatais foram Clemente Rodrigues Neto, que sofreu uma queda...
COP-19 avança pouco; Brasil sofre pressão por desmatamento e Pré-Sal

COP-19 avança pouco; Brasil sofre pressão por desmatamento e Pré-Sal

Rio de Janeiro – A divulgação de números que indicam o recrudescimento do desmatamento na Amazônia após quatro anos consecutivos de queda e a expectativa gerada pelo inevitável aumento das emissões de gases de efeito estufa com o início da produção de petróleo e gás no Pré-Sal já a partir do ano que vem puseram o Brasil no centro das atenções da décima nona edição da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-19), encerrada sábado (23) em Varsóvia, na Polônia. A conferência foi marcada pelo debate sobre a influência da exploração, produção e queima de combustíveis fósseis no agravamento do aquecimento global e logrou tímidos avanços nas negociações que, segundo o cronograma estabelecido pela ONU na Plataforma de Durban, devem desembocar em um acordo global e com metas obrigatórias de redução das emissões para todos os países a ser concluído em 2015 e adotado a partir de 2020. Leia também: Vilãs do clima, empresas do setor de fósseis influenciam COP-19 Em uma discussão ainda bloqueada pelas divergências entre países ricos e países em desenvolvimento, o Brasil é protagonista das negociações climáticas há quatro anos, desde que, durante a COP-15 realizada em Copenhague, na Dinamarca, se comprometeu a reduzir voluntariamente até 2020 seus índices de emissão entre 36,1% e 38,9% em relação a 2005. Em junho, o governo brasileiro anunciou já ter atingido 62% da meta assumida, o que aumentou seu prestígio frente aos interlocutores na ONU. Mas, a confirmação, às vésperas da COP-19, do aumento de 28% no desmatamento da Amazônia no período entre agosto de 2012 e julho de 2013 e as expectativas...
Aceitação aos transgênicos divide mercado internacional

Aceitação aos transgênicos divide mercado internacional

O acelerado ritmo de crescimento das áreas ocupadas com cultivos geneticamente modificados em várias partes do mundo cria no mercado a expectativa de que o número de pedidos para liberação comercial de transgênicos no Brasil aumente ainda mais nos próximos anos, já que o país tem grande capacidade produtiva e uma extensa área de plantio que ainda pode ser utilizada. Para se ter uma ideia do potencial de expansão das plantas geneticamente modificadas em um país com extensão territorial de dimensões continentais, os Estados Unidos, segundo relatório publicado este ano pelo Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações Biotecnológicas (ISAAA, na sigla em inglês), plantou um total de 69,5 milhões de hectares com transgênicos em 2012. Leia também: Legalizados há 10 anos, transgênicos vivem ‘apoteose’ no Brasil Na Câmara, proposta tenta liberar sementes transgênicas ‘suicidas’ Grupo de seis empresas controla mercado global de transgênicos Pouca transparência marca estudos sobre riscos dos transgênicos Transgênicos e agrotóxicos: uma combinação letal Empresas ainda lutam para evitar a rotulagem de transgênicos no Brasil Influência sobre CTNBio é trunfo das gigantes da transgenia Embrapa já tem alimentos transgênicos liberados Segundo colocado, com 36,6 milhões de hectares plantados, o Brasil já se posiciona bem à frente dos outros principais produtores mundiais de transgênicos: Argentina (23,9 milhões de hectares), Canadá (11,6 milhões), Índia (10,8 milhões) e China (4 milhões). Atualmente, segundo o relatório do ISAAA, os transgênicos são legalmente cultivados em 28 países e já estão presentes em todos os continentes, em um total de 170,3 milhões de hectares plantados. O último país a entrar no rol dos produtores de plantas geneticamente modificadas foi Cuba, que...