A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Diretor da Le Lis Blanc e Bo.Bô nega explorar escravos

Representante do grupo Restoque, que é dono das marcas de luxo, culpa fornecedores por flagrante de escravidão. Para fiscalização, não há dúvidas da responsabilidade da empresa

São Paulo (SP) – Livinston Bauermeister, diretor da Restoque, grupo proprietário das marcas Le lis Blanc e Bourgeis Bohême (Bo.Bô), negou em sessão nesta tarde na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), que a empresa tenha se aproveitado de trabalho escravo. Ele foi convocado pela Comissão de Direitos Humanos da casa a dar explicações sobre o resgate realizado em junho de 28 pessoas em condições análogas às de escravos produzindo peças das duas grifes.

Calça da Le Lis Blanc produzida em condições degradantes. Foto: Anali Dupré

Os costureiros, todos bolivianos, viviam em condições degradantes, estavam sujeitos a jornadas de trabalho exaustivas e servidão por dívida. Segundo fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que realizaram a operação, além de submetidos à escravidão, todos foram vítimas de tráfico internacional de pessoas. Entre os resgatados estava uma garota de 16 anos.

Livinston Bauermeister, diretor da Restoque, fala em audiência na Alesp Foto: Ass Imprensa do dep Carlos Bezerra

Livinston Bauermeister, diretor da Restoque, fala em audiência na Alesp. Foto: Assessoria do dep. Carlos Bezerra Jr.

O representante da Restoque minimizou a responsabilidade da empresa destacando que as oficinas nas quais foram flagradas as irregularidades eram “quarteirizadas” – vendiam a produção para intermediárias, que, por sua vez, repassavam ao grupo. “A Restoque jamais se beneficiou deste tipo de exploração. Exigimos de nossos fornecedores que cumpram a legislação trabalhista”, declarou o diretor da Restoque durante a audiência. “Dois de nossos fornecedores romperam nosso contrato de trabalho sem o nosso conhecimento. Soubemos do fato a partir de notificação do Ministério do Trabalho”, completou.

Apesar da negativa, segundo os agentes do MTE, não há dúvidas sobre o papel da Restoque na exploração de escravidão.“A ação decorreu de um acúmulo de provas e evidências recolhidas por uma auditoria do MTE que levaram à necessidade de investigação sobre a cadeia produtiva da Restoque”, afirmou o auditor fiscal Luís Alexandre Faria, presente na audiência pública.

Não só foi caracterizada terceirização da atividade fim, o que por si só já configura a responsabilidade do grupo, como também nesse caso ficou evidente a ligação direta da empresa com a organização da linha de produção, de acordo com a fiscalização.  “Infelizmente a opção do setor têxtil no Estado de São Paulo é a de utilizar de trabalhadores em situação vulnerável, imigrantes, sem lhes garantir seus direitos mínimos”, comentou o fiscal.

Cadeias produtivas
“Entendemos que existe responsabilidade porque há um controle de qualidade sobre as peças produzidas, mas uma cegueira deliberada sobre as condições de trabalho presentes na cadeia de produção da empresa”, reforçou o integrante do Ministério Público do Trabalho (MPT), o procurador Tiago Muniz Cavalcanti. Conforme constatou a fiscalização, toda cadeia produtiva estava baseada em encomendas da Restoque. Os agentes do MTE estimam que 90% das encomendas das intermediárias pertenciam às grifes e que 100% da produção das oficinas era de peças da marca.

Costureiros dormiam em quartos apertados ao lado da oficina. Foto: Anali Dupré

“Todo mundo sabe que trabalho escravo está disseminado na cadeia produtiva de grandes grifes. É inacreditável que uma empresa desse porte não tenha o monitoramento efetivo de sua cadeia produtiva”, contestou o deputado Carlos Bezerra Jr (PSDB). Para o parlamentar, responsável por convocar os representantes da Restoque a prestar esclarecimentos perante o Legislativo paulista, o discurso do empresário é muito semelhante à justificativa de todas as outras empresas do setor têxtil que foram responsabilizadas por trabalho escravo.

“Numa ponta há lucros exorbitantes, e na outra ponta há trabalhadores em situações aviltantes”, ilustrou Bezerra, em referência ao contraste do lucro das empresas com a exploração de trabalhadores.

“A Restoque é uma empresa responsável pela venda de roupas no varejo. Compramos roupas de nossos fornecedores para revendê-las”, insistiu Livingston Bauer, em resposta ao parlamentar paulista. De acordo com o argumento do empresário, quem no fim teria se beneficiado do uso de mão de obra escrava, pela organização da cadeia produtiva, seriam os fornecedores da Restoque – e não a própria companhia. O diretor disse que a empresa sempre paga a mesma quantia a suas contratadas, um valor entre R$30,00 e R$50,00, que varia conforme o tipo de peça a ser comercializada. O preço final de algumas das roupas vendidas pelas marcas Le Lis Blanc e Bô.Bô ultrapassa R$2mil.

“Vou levantar a possibilidade de nunca mais fazer esse tipo de audiência, para não ter que fazer papel de bobo aqui. A parte [o diretor da Restoque] não diz absolutamente nada”, criticou o deputado estadual Adriano Diogo (PT-SP). Para o parlamentar, o discurso do representante da empresa foi evasivo e não trouxe propostas para lidar com os casos recorrentes de trabalhadores reduzidos à escravidão no Estado de São Paulo. “Temos 500 anos de escravidão, a exploração permanece e ninguém nunca sabe de nada”, acrescentou.

Em nota enviada após a audiência (leia na íntegra), representantes do grupo afirmam que farão auditoria interna de todos fornecedores e anunciam nova diretoria responsável por controle da produção. A empresa diz ainda que pagou indenizações e assinou um Termo de Ajustamento de Conduta assumindo compromissos junto ao Ministério Público do Trabalho*.

Leia também:
Roupas da Le Lis Blanc são fabricadas com escravidão
Fiscalização liberta trabalhadores que produziam roupas para grife Bo.Bô
Especial: flagrantes de trabalho escravo na indústria têxtil no Brasil

*Texto atualizado às 19h desta terça-feira, dia 20,  para inserir foto de diretor da Restoque, e às 14h52 desta quarta-feira, dia 21, para inclusão do posicionamento da Restoque.

 


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

6 Comments

  1. Ontem estive là. Mais uma vez os representantes das empresas tratam a todos como estúpidos congênitos e sem possibilidade de cura.
    Sabe, nao sabiam nada de nada ! Melhoras, poucas, pedem perdão.
    Nem sequer o fato de ter encontrado Zara, mais de uma vez, Marisa, etc etc fez com que a diretoria ficassem de olho !! Nada,

    Pergunto foram demitidos todas a diretoria executiva? Eu acionista de uma empresa deste jeito, pediria por incompetente. Mais uma vez, me senti insultada.

    Reply
  2. Certamente existe trabalho sem carteira assinada, mas trabalho taxado como “escravo” faz parte da pirotecnia do ministério do trabalho para colocar medo em todo um setor intensivo em mão de obra e que já não consegue mais competir com produtos importados da china pois não consegue ter competitividade caso internalize toda a mão de obra. O PT por sua vez precisa urgentemente continuar aumentando o indice de novos funcionários registrados até as próximas eleições.Em um primeiro momento isto até pode acontecer, mas assim que conseguir se estruturar tenho certeza que a les lis Blanc passará a importar boa parte dos produtos vendidos em suas lojas. Venderemos menos fios, tecidos, aviamentos, etc no mercado interno pois os mesmos virão “embarcados” na importação da roupa pronta. Mais uma “Genialidade” deste super competente, e míope, governo petista.

    Reply
  3. ah me poupem, só sei que nada sei? pra cima de mim? pra cima de nós???

    tem que punir severamente! MTE + MPT + JT

    Reply
  4. considero um “ABSURDO” a chamada Fiscalização querer vincular empresas como a LE LIS BLANC, BOBO, GRUPO ZARA, ETC… com este tipo de situação, o cidadão constitui uma empresa de fabricação e comercialização de artigos de vestuário, é credenciado pelo governo brasileiro, oferece seus produtos as grandes marcas e organizações, se aproveita da situação, explora as pequenas oficinas de costura, e seu cliente que é responsabilizado ?
    Que PAIS é ESSE ?
    do meu ponto de vista cabe ao governo brasileiro através do ministério do trabalho juntamente com os sindicatos de classe de verificarem as condições de trabalho das empresas por ele credenciada, não de seus clientes que são meros compradores de produtos de uma empresa constituída legalmente, que emite nota fiscal e paga impostos.
    Se empresas Privadas tiverem que fiscalizar as condições de trabalho de seus fornecedores, melhor seriamos fechar o ministério do trabalho e com isto reduzir impostos destas empresas para que elas façam a obrigação do governo.

    Reply
  5. Como é então, sr. Mário Mendes?… O sr. sugere que os “pobres” novos srs. de escravos modernos não são os próprios proprietários ‘indiretos’ dessas oficinas terceirizadas justamente pra eu poder usar do argumento do “eu não tinha conhecimento”?!
    Vou lhe responder que país é esse: é um país que tem – em parte – se indignado contra a injustiça e encontrado aliados relevantes e com coragem para enfrentar interesses financeiros e que, não há lucro no mundo que valha mais que a dignidade e a garantia de direitos de um semelhante.

    Reply
  6. E as pessoas se sentem privilegiadas em poder pagar caro para ostentar peças destas grifes. Toda vez que sei de empresas criminosas como estas, me recuso a consumir qq peça que seja. Se me der de graça,

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Após flagrante de escravidão, donos da Le Lis Blanc e Bo.Bô prometem medidas imediatas » Repórter Brasil - […] de trabalho escravo na produção de peças das grifes Le Lis Blanc e Bo.Bô, após diretor ser convocado para explicar…
  2. Especial: flagrantes de trabalho escravo na indústria têxtil no Brasil » Repórter Brasil - […] com escravidão Fiscalização liberta trabalhadores que produziam roupas para grife Bo.Bô Diretor da Le Lis Blanc e Bo.Bô nega…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *