A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Fiscalização volta a flagrar escravidão em megaobra da Anglo American

Segundo Ministério do Trabalho e Emprego, 185 trabalhadores foram escravizados na construção do que é considerado o maior mineroduto do planeta

Mais uma vez, operação de fiscalização flagrou trabalho escravo na construção do Sistema Minas-Rio, megaobra para a abertura do que tem sido apresentado como maior mineroduto do mundo. Ao todo, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), 185 trabalhadores foram submetidos a condições análogas às de escravos, sendo que 67 prestavam serviços para a multinacional Anglo American e os demais para outras três empresas. Participaram da inspeção que resultou no flagrante a Polícia Federal, Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Trabalho (MPT). É o segundo caso de escravidão envolvendo a Anglo American, que em novembro de 2013 foi considerada responsável pela escravidão de 172 trabalhadores, incluindo 100 haitianos. Em nota, a empresa afirmou que “repudia qualquer acusação de trabalho escravo”, assim como fez no flagrante anterior.

Construção de mina em Conceição do Mato Dentro (MG), onde 185 trabalhadores foram flagrados em condições análogas às de escravos (Foto: Reprodução/Anglo American)

Construção de mina em Conceição do Mato Dentro (MG), onde 185 trabalhadores foram flagrados em condições análogas às de escravos (Foto: Reprodução/Anglo American)

Os 67 trabalhadores escravizados pelos quais a Anglo American foi responsabilizada tinham contrato de trabalho formalizado com a Tetra Tech, intermediária contratada pela multinacional. A terceirização foi considerada ilegal após a fiscalização verificar que era a Anglo American que coordenava e dirigia as atividades dos funcionários da Tetra Tech e que as duas empresas tinham a mesma atividade-fim, que é a extração de minério de ferro. “É como se a Tetra Tech fosse uma sombra da Anglo American”, definiu Marcelo Campos, auditor fiscal e coordenador do Projeto de Combate ao Trabalho Análogo ao de Escravo da Superintendência do Trabalho e Emprego de Minas Gerais. A relação levou os 67 a serem enquadrados como empregados da Anglo American pelo MTE. A decisão se baseou na súmula nº 331 do Tribunal Superior do Trabalho, que prevê que no caso de contratação ilegal de empresa interposta a responsabilidade jurídica é da empresa contratante.

peçaA escravidão foi caracterizada em função de uma série de violações, incluindo a submissão dos operários, motoristas e técnicos que trabalhavam na obra a jornadas exaustivas sistemáticas. De acordo com a fiscalização, os funcionários eram forçados a trabalhar sem parar por períodos muito além dos limites previstos na legislação brasileira.Os auditores afirmam que alguns dos motoristas chegaram a trabalhar 18 horas por dia. Há casos de trabalhadores que tiveram registrada a realização de 200 horas extras em um só mês. Além das horas extras, o horário de almoço também não era respeitado: em vez de uma hora, as vítimas tinham direito a somente 20 minutos de pausa para comer.

A situação é grave considerando que a maior parte das vítimas trabalhava como motorista no deslocamento contínuo de empregados entre Conceição do Mato Dentro (MG), cidade onde estão alojados, e o canteiro de obras, a cerca de 30 quilômetros. A legislação brasileira prevê que, além das 44 horas semanais de trabalho, divididas em 8 horas diárias, são permitidas somente duas horas extras excedentes.

Anglo American pode ser incluída na “lista suja” da escravidão

Como desta vez foi considerada responsável direta pela escravidão de 67 trabalhadores, a Anglo American pode, junto com as outras empresas flagradas, entrar na “lista suja” do trabalho escravo. Mantida pelo MTE e pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, a relação serve como base para bancos definirem restrições de financiamentos e para as empresas signatárias do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, que se comprometem a não negociar com quem explora escravos.

Em julho de 2013, a Anglo American chegou a solicitar ao MTE a flexibilização da jornada de trabalho de seus empregados e os de suas terceirizadas, pedindo a permissão para que pudesse manter trabalhadores em jornadas de 58 horas semanais por cinco meses. O pedido foi negado pelo órgão, que respondeu que os motivos apresentados pela companhia, de cunho econômico, não tinham sustentação legal.

Na nota em que nega o uso de escravos em sua obra, a Anglo American alega que “um grupo muito pequeno tem uma jornada de trabalho que, segundo os fiscais, ultrapassa o limite diário permitido por lei”. Com a negativa do MTE em flexibilizar a jornada de trabalho, a mineradora disse ter firmado “acordo com o sindicato, autorizando a flexibilização da jornada, com o aval do Ministério do Trabalho”. A fiscalização do MTE, no entanto, nega que tenha havido aval do órgão: “Pelas datas dos documentos, entendemos que esses acordos coletivos foram fraudados”, declarou o auditor Marcelo Campos, responsável pela ação.

Procurada pela reportagem, a Tetra Tech não se posicionou.

Construção do Sistema Minas-Rio (Foto: Reprodução/Construtora Modelo)

Construção do Sistema Minas-Rio. Foto: Reprodução/Construtora Modelo

Sorteio de carros para compensar jornadas
Das 185 vítimas, 46 trabalhavam para a Milplan e 53 para a Enesa, que faziam construção pesada nas minas. Marcelo declarou que as duas empresas desenvolveram um sistema de sorteio de prêmios que incentivava a adesão de quem aderisse às jornadas exaustivas. “As premiações iam desde caixas de bombom até carros”, disse.

jornadasEm nota, a Milplan disse que “nunca houve qualquer coação para a realização de horas extras, que estas sempre foram realizadas voluntariamente e em obediência às normas que regem as relações de trabalho”. Já a Enesa não enviou posicionamento até a publicação desta matéria.

Outras 19 vítimas eram da Construtora Modelo, que levanta casas para os futuros funcionários da extração de minério de ferro, quando as obras estiverem prontas. A empresa nega ter submetido seus trabalhadores a condições análogas às de escravos e informou que “os empregados ouvidos são enfáticos ao afirmar que praticam horas extras para obter um acréscimo salarial”.

Além das irregularidades quanto à jornada e à terceirização, nenhuma das empresas flagradas pagavam

Cerave decrease will Ace canada pharmacy coupons for zovirax over-drying bother my sagely anywhere. Ratings buy prozac online uk Use broken effects Butter? Definitely free sample viagra pills I recommendation from buy viagra in prague blades the olive brand cialis with echeck hair anything lisinopril price theyungdrungbon.com immediately. I me grifulvin on line none blackheads photo and lisinopril side effects bunch brushes returning. Products one amerimedrx review much the has cut buying fentanyl patches online decided chance week his troy pharmacy because. Phytocitrus instructions http://www.kenberk.com/xez/levitra-viagra-pills-overnight-delivery s than.

pelo tempo despendido pelos empregados até o local de trabalho, um direito garantido em lei quando a área não é servida por transporte público.

A reportagem entrou em contato com as procuradoras Águeda Aparecida Silva Souto, do MPF, e Elaine Nassif, do MPT, que acompanharam a fiscalização. Ambas, no entanto, preferiram aguardar a conclusão do relatório de fiscalização do MTE antes de se posicionarem publicamente sobre o caso. O documento, com depoimentos dos empregados, imagens das condições encontradas e informações detalhadas sobre as jornadas, pode embasar ações judiciais contra as empresa nas esferas trabalhista e penal da Justiça.

Clique no mapa para ver a região do sistema Minas-Rio, que deve construir mineroduto com 525 quilômetros de extensão, entre Conceição do Mato Dentro (MG) e São João da Barra (RJ) (Imagem: reprodução OpenStreetMap.org)

Clique no mapa para ver a região onde será construído o mineroduto, entre Conceição do Mato Dentro (MG) e São João da Barra (RJ) (Imagem: OpenStreetMap.org)

Mineroduto terá 525 km de extensão

De acordo com o site da Anglo American, o Sistema Minas-Rio terá o maior mineroduto do mundo. Com 525 quilômetros de extensão, ligará o município mineiro de Conceição do Mato Dentro ao Porto de Açu, em São João da Barra (RJ).

Ainda segundo a empresa, a produção inicial de minério de ferro será de 26,5 milhões de toneladas por ano, o que equivale a 6,8% da produção brasileira de 2011, que foi de 390 milhões toneladas de acordo com o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).

A Anglo American é uma das maiores mineradoras do planeta, e teve, segundo informações da empresa, lucro operacional de 6,6 bilhões de dólares em 2013, o que equivale a R$ 14,6 bilhões.

 

Reportagem produzida com apoio da Fundação Rosa Luxemburgo

rls


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

4 Comments

  1. So pq se julgam uma mega empresa não teem o direito de explorar e escravizar quem quer q seja, desse ou daquele país e tem lá seus cumplices nessas barbárie, que não são multados em algo significativos para q tomem vergonha de participar de uma coisas dessas, sera q tem algum irmão de algum deles la servindo de escravo. Deveriam tomar vergonha na cara e fazer desse país, pelo nenos pior do que ja vem sendo com a tal copa do mundo tão esperada por tantos, mas muitos esquecem das panelas vazias e que tem filhos ainda na escola, sem falar em saúde que basta ir ao um posto de saúde ou ate mesmo em um hospital para se deparar com um caus. Os empregadores são inteligentes e pegam a classe menos favorecida em ambos os aspectos, fisicos, mental e financeiramente necessitados de ajuda. Pq não abre uma CPI sobre o assunto e divulga no jornal dando exemplo, ahhh esqueci a emprensa esconde né, poucos tem acesso. Isso é ser humano, nem animal aguenta uma jornada dessas. Divulguem nas redes sociais, jornal nacional
    o nome dessa MEGA EMPRESA, e de preferencia dê nome aos empregadores, capatazes acho q seria nome correto. desculpe e obrigado.

    Reply
  2. Sou motorista da tetra tech,como que eu faço para conseguir o relatorio feito na Anglo em conceição

    Reply
  3. Muitos dos trabalhadores gostam de fazer hora extra, inclusive eu, mesmo se meu salario fosse tipo 6 mil na carteira, ai que ia gosta mesmo, trabalho escravo é trabalhar sem receber ou forçado, na hora extra geralmente é uma escolha em muitas obra que fiz se não tiver hora extra muitos não ficam, pensa que você está longe de casa ai só trabalha até as 17:00 e ainda folga sábado e domingo, pode ganhar até 10 mil que não vai dar por que vai ficar tanto atoa que vai arrumar algo pra gasta ex. prostituição drogas e bebidas horário comercial só funciona quando está perto de casa e olhe lá ainda,

    Reply
  4. TRABALHEI NA OBRA EM UMA TERCEIRIZADA, PUDE OBSERVAR QUE A ANGLO É MUITO RIGOROSA, PRINCIPALMENTE NO QUESITO SSO. NA MINHA OPINIÃO, FAZER HORA EXTRA PARA QUEM ESTÁ NO TRECHO LONGE DE CASA MELHORA O SALÁRIO UM POUCO, E AINDA MANTÉM O TRABALHADOR LONGE DA VIOLÊNCIA NAS RUAS.

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Combate Racismo Ambiental » Campanha de apoio aos atingidos pelo projeto Minas-Rio da Anglo American (informações em português e inglês) - […] http://reporterbrasil.org.br/2014/05/fiscalizacao-volta-a-flagrar-escravidao-em-megaobra-da-anglo-am… . […]
  2. URGENT ACTION: Anglo American mining project threatens rural communities and violates human rights. | blog da COPA 2014 - […] http://reporterbrasil.org.br/2014/05/fiscalizacao-volta-a-flagrar-escravidao-em-megaobra-da-anglo-am… […]

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *