A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Fazendeiros do Pará divulgaram PIX de loja de informática para bancar atos golpistas

Candidato a suplente de senador que esteve nos ataques de 8 de janeiro compartilhou campanha de arrecadação em grupo de WhatsApp; empresário ligado à loja que fez a vaquinha foi citado por suspeito de montar bomba para atentado em Brasília

Enric Lauriano (à direita) esteve em almoço com Jair Bolsonaro em Brasília, no dia 21 de maio de 2022, representando o Sindicato Rural de Xinguara (Foto: Reprodução/Instagram)

O PIX de uma loja de informática em Xinguara, no sul do Pará, era divulgado por fazendeiros da região para arrecadar verbas para atos antidemocráticos. Trechos de conversas de WhatsApp, obtidos pela Repórter Brasil, e vídeos publicados em redes sociais revelam o empenho de empresários para levantar recursos e manter acampamentos bolsonaristas em Marabá (PA) e em Brasília (DF), onde radicais pediam intervenção militar contra a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Os depósitos eram direcionados para a USA Brasil de Xinguara. Na cidade, a loja é associada ao empresário Ricardo Pereira da Cunha, conhecido como “Ricardo da USA Brasil”. Ele foi citado por um dos envolvidos no atentado a bomba em Brasília em dezembro. Segundo o jornal Correio Braziliense, quando foi preso, George Washington de Oliveira Sousa disponibilizou à polícia os números de dois empresários do Pará para avisar do ocorrido – um deles era Cunha. O site O Antagonista publicou que Sousa teria informado que Cunha lhe prometera ajuda para sua defesa. Ao portal, o empresário confirmou ter recebido o telefonema, mas negou a promessa.

Cunha não é investigado pelo atentado. Além de Sousa, Alan Diego Rodrigues, preso nesta semana, e Wellington Macedo de Souza, que está foragido, são acusados de montar o artefato e se tornaram réus após a Justiça do Distrito Federal aceitar a denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Leia mais: Herdeiro de construtora que fechou contratos milionários sob Bolsonaro participou de ato golpista

Cunha faz parte do Direita Xinguara, movimento conhecido por fazer campanha pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e espalhar outdoors atacando Lula e a esquerda. Segundo as conversas privadas acessadas pela Repórter Brasil, empresários ligados a esse grupo espalharam a vaquinha na conta da USA Brasil para financiar ações golpistas ao menos desde novembro.

Entre os empresários empenhados na arrecadação está Enric Juvenal da Costa Lauriano, que participou pessoalmente do ataque às sedes dos Três Poderes em 8 de janeiro. “Ó que lindo, que lindo! O povo tomando aqui, ó!”, exclamou Lauriano, enquanto gravava a tomada do Congresso Nacional. As imagens foram transmitidas em seu Instagram. Lauriano não consta na lista de presos após o incidente de Brasília.

No dia 8 de janeiro, o empresário Enric Lauriano celebrou o ataque de bolsonaristas às sedes dos Três Poderes em Brasília. Ele transmitiu as cenas em suas redes sociais
(Vídeo: Reprodução/Instagram)

Gravações e postagens indicam o envolvimento de Lauriano em atos golpistas desde novembro. No dia 7 daquele mês – pouco mais de uma semana após o segundo turno das eleições –, o empresário encaminhou em um grupo de WhatsApp o número de PIX e a conta bancária da USA Brasil para “quem quiser ajudar nas despesas de Marabá”. Na cidade fica o 52º Batalhão de Infantaria de Selva, um dos principais pontos de protestos bolsonaristas contra as eleições no Pará.

As redes de Enric Lauriano estão repletas de mensagens de exaltação ao ex-presidente Jair Bolsonaro e ao acampamento bolsonarista em Brasília. Em vídeo que gravou no final de novembro, o empresário sugere atuar na organização da barraca do sul do Pará montada em frente ao Quartel General do Exército na capital federal. “Nosso acampamento está aqui para dar suporte e estrutura para aqueles que chegarem ainda. Não vamos arredar o pé daqui enquanto não resolverem essa situação que o Brasil vem vivendo”, declarou.

Enric Lauriano encaminhou chave de PIX da USA Brasil para arrecadar verbas para ações antidemocráticas (Foto: Reprodução)
Enric Lauriano em frente ao Quartel General do Exército em Brasília no dia 23 de novembro de 2022 (Vídeo: Reprodução)

Lauriano também é membro do Direita Xinguara e tem atuação política. Em 2020, ele tentou se eleger prefeito da cidade pelo PSL e, no ano passado, foi candidato a 1º suplente de senador na chapa encabeçada por Flexa Ribeiro (PP/PA) – político ligado a uma associação que faz lobby pró-garimpo em Brasília, inclusive para a mineração em terras indígenas. À Justiça Eleitoral, Lauriano declarou um patrimônio de R$ 3,3 milhões.

O empresário possui uma construtora que atua no ramo do agronegócio, mas recentemente está enveredando também pelo garimpo. A Agência Nacional de Mineração lhe deu permissão, em agosto passado, para extrair minério de ouro em Água Azul do Norte (PA) por cinco anos.

A riqueza da família, porém, vem do boi. Enric é filho de Onício Lauriano, pecuarista com fazendas em pelo menos três municípios do sul do Pará. No mesmo grupo de WhatsApp em que o filho divulgou o PIX para as “despesas de Marabá”, Onício compartilhou, em 9 de dezembro, uma “rifa de um touro Senepol e uma bezerra Nelore em pro [sic] da manifestação em Brasília”. Com custo de R$ 200, a rifa vendeu mais de 100 bilhetes. A arrecadação foi feita pela conta bancária da USA Brasil.

Onício Lauriano divulgou rifa de R$ 200 da USA Brasil em grupo de WhatsApp (à esquerda); já Alexandre Freitas pediu recursos para enviar a Brasília, após protesto de 3 de dezembro (à direita)

Em 2011, Onício recebeu multa de R$ 3,84 milhões do Ibama por desmatar 384 hectares (equivalente a 384 campos de futebol) de floresta amazônica na Fazenda Santa Luzia, em área de domínio público, dentro da APA estadual Triunfo do Xingu. A área foi embargada, mas, segundo o Ibama, o proprietário não respeitou o embargo, o que gerou nova multa em 2014.

Na família, também Franklin Lauriano, irmão de Enric e coordenador do Direita Xinguara, tem postado vídeos em que desdenha da democracia. Em um deles, aparece em frente ao batalhão de Marabá, ajudando a puxar o coro “SOS Forças Armadas”. Vestia uma camiseta verde com os dizeres: “O Brasil que queremos só depende de nós.”

No mesmo ato, Franklin convocou “moradores de Xinguara, comerciantes, agropecuaristas, pecuaristas” a “não serem omissos” e se juntarem ao acampamento em frente ao batalhão. “Nós precisamos mudar essa situação. Não vamos ser covardes. Nós estamos aqui brigando por vocês. Agora, vocês precisam nos apoiar.”

Franklin Lauriano em frente ao batalhão de Marabá (PA), convocando para os protestos golpistas (Vídeo: Reprodução/Instagram)

Franklin Lauriano é alvo de inquérito do Ministério Público Federal no Pará, ainda em fase inicial, por suspeita de desmatar 350 hectares de Amazônia nativa em São Félix do Xingu (PA).

A Repórter Brasil falou por telefone com Enric Lauriano e o questionou sobre os pedidos de PIX e sua participação na manutenção do acampamento e nos ataques de 8 de janeiro. O empresário, porém, disse que não queria se manifestar. Onício, Franklin e o ex-senador Flexa Ribeiro (PP) também foram procurados, mas não retornaram.

As investigações sobre os ataques do último dia 8 trabalham com a hipótese de que os patrocinadores sejam de setores ligados a atividades predatórias na Amazônia. Golpistas detidos afirmaram que as despesas de suas viagens para Brasília foram pagas por financiadores de Rondônia, Pará e Mato Grosso, segundo a TV Globo. E a ministra do Meio Ambiente Marina Silva disse, em entrevista à Folha, que a “turba enfurecida” está ligada a setores envolvidos com desmatamento, grilagem, tráfico de madeira, pesca ilegal e garimpo ilegal na Amazônia.

Loja de informática

Enric Lauriano e Ricardo Cunha convidam bolsonaristas a se filiarem ao Aliança Pelo Brasil na sede da loja de informática (Reprodução/Redes Sociais)

Apesar de Cunha ser conhecido como “Ricardo da USA Brasil”, a empresa está cadastrada na Receita Federal em nome de outra pessoa. Porém, a Repórter Brasil verificou que Cunha informou à Justiça estadual que o endereço da loja é o mesmo de sua residência – ele inclusive chegou a ser notificado por oficial de Justiça no local.

Antes de arrecadar verbas para ações golpistas, a USA Brasil foi usada para diversas ações do grupo Direita Xinguara. Ali, por exemplo, foi um ponto de coleta de assinaturas para filiação ao Aliança Pelo Brasil, partido que Bolsonaro tentou criar, sem sucesso. Cunha – que foi pré-candidato a vice-governador do Pará pelo PROS em 2022 – também usou o espaço para fazer campanha para o ex-presidente no ano passado.

Mas a militância de Cunha se estendia até Brasília, com presença constante no acampamento golpista em frente ao QG do Exército, segundo suas redes sociais. Em dezembro, ele postou vídeo exaltando um empresário do Ceasa local, que estaria garantindo a doação diária de frutas e legumes para o acampamento. Em outras gravações, Cunha mostra a preparação de uma caldeirada de peixe e de carne para a tropa bolsonarista, sempre convidando mais “patriotas” para se unir à vigília que pedia uma intervenção militar.

O plano de colocar uma bomba em um caminhão na capital federal teria sido articulado no acampamento do QG. Preso por suposto envolvimento na operação, Oliveira Sousa também é morador de Xinguara. Ele disse à polícia que o objetivo da ação seria “dar início ao caos”, que levaria à “decretação do estado de sítio no país” e poderia “provocar a intervenção das Forças Armadas”.

Um dos motivos para o telefonema de Sousa para Cunha seria para lhe pedir que informasse à família que estava bem.

A Repórter Brasil tentou contato com Cunha nos telefones informados pela USA Brasil, inclusive no número usado para a arrecadação de verbas para os acampamentos, que também é o canal de vendas por WhatsApp da empresa, mas não houve retorno. Mensagens também foram deixadas em redes sociais. O espaço segue aberto para posicionamento.

Além de frequentar a porta do QG do Exército, Cunha esteve no protesto contra a eleição de Lula em um shopping do Distrito Federal em 3 de dezembro. Ele aparece no início de um vídeo da ação, de camisa pólo com listras horizontais e óculos de grau pendurado. “Supremo é o povo”, gritam os presentes.

Ricardo Pereira Cunha (de camisa com listras horizontais) durante a invasão a um shopping do Distrito Federal no dia 3 de dezembro de 2022 (Vídeo: Reprodução)

O ato de 3 de dezembro foi usado por bolsonaristas do sul do Pará como pretexto para engrossar a campanha de arrecadação de fundos para os acampamentos. Naquele dia, em outro grupo de WhatsApp, o pecuarista Alexandre de Araújo Freitas repassou vídeos e comentários sobre as manifestações. “Hoje foi top. Incomodou Brasília. Vocês não tem noção da repercussão.” Em seguida, Freitas escreveu: “Precisamos de recurso em brasilia!!!. o xandao vai querer tirar o povo de brasilia depois de hoje […] Quem quiser e puder ajuda e bem vindo”. Na sequência, o fazendeiro divulgou mais uma vez os dados do PIX da USA Brasil. As mensagens foram transcritas como publicadas, incluindo os erros de português.

Freitas não retornou os contatos da reportagem feitos por mensagem e telefone.

Um dos principais polos de pecuária bovina do país e atual fronteira do avanço da soja, o sul do Pará é palco hoje de intensa atividade garimpeira, incluindo mineração ilegal dentro de terras indígenas. Violentos conflitos por terra e desmatamento também marcam a realidade da região, onde Bolsonaro terminou o pleito do ano passado em vantagem em relação a Lula. Em Xinguara, por exemplo, o candidato do PL obteve 63,19% dos votos, contra 36,81% do petista.

*Colaborou Beatriz Souza


Apoie a Repórter Brasil

saiba como